Movimento pela habitação acusa Câmara de Gondomar de não ter respostas sociais

| Porto
Porto Canal

O Movimento Porta a Porta – Casa para Todos acusa a Câmara Municipal de Gondomar de não ter respostas sociais para quem precisa de habitação digna no concelho. Após entregar uma carta à autarquia em que descreve as “dificuldades” e “condições anormais” em que se vive no país e no município, o grupo de cidadãos critica não existirem “respostas concretas”.

O movimento informal criado para criticar as políticas de habitação defende a fixação dos preços das rendas, a renovação dos atuais contratos de arrendamento, a revogação da lei que permite despejos, a mobilização do património público e das casas devolutas para habitação, bem como que as famílias não paguem mais do que 35% dos seus rendimentos líquidos por um crédito à habitação.

“Moro num anexo com a minha filha, sem canalização. A minha filha toma banho numa bacia”, conta ao Porto Canal Tamara Castro, de 27 anos e residente em Gondomar. “Não quero que a minha filha pense que, em 2023, tomar banho numa bacia com água aquecida no micro-ondas é uma coisa normal. Não é”.

Ao Porto Canal, o município de Gondomar não quis comentar a carta que recebeu.

+ notícias: Porto

Restaurante Antiqvvm no Porto ganha segunda estrela Michelin

O restaurante Antiqvvum no Porto ganhou este terça-feira a segunda estrela do guia Michelin, enquanto quatro estabelecimentos conquistaram uma estrela, anunciou a publicação, numa cerimónia exclusivamente dedicada a Portugal, em Albufeira.

Câmara do Porto volta a lançar concurso para reabilitação do Jardim da Cordoaria

A Go Porto publicou esta terça-feira o concurso público para a empreitada de reabilitação do Jardim da Cordoaria, no Porto, pelo valor de 528 mil euros. Esta obra já tinha sido alvo de um concurso publicado em março do ano passado.

“O centralismo é evidente. Não há forma de esconder”. Portugueses querem a regionalização

Seja no que diz respeito ao aproveitamento de fundos europeus ou na ideia de uma maior autonomia, a maioria dos portugueses parece estar a favor da regionalização, como mostra uma sondagem da associação SEDES e a auscultação de alguns portuenses pelo Porto Canal.