“Ter casa é tudo”. No Porto há 1339 pessoas em situação de sem-abrigo

“Ter casa é tudo”. No Porto há 1339 pessoas em situação de sem-abrigo
Bruno Ferreira | Porto Canal
| Norte
Maria Abrantes

Os dados oficiais mais recentes revelam que, a 31 de dezembro de 2022, viviam 1339 pessoas em situação de sem-abrigo, na Área Metropolitana do Porto. 647 apenas na cidade do Porto. De acordo com dados oficiais, o número se sem-abrigo a nível nacional aumentou 78%, numa altura em que explode a crise na habitação e que acaba por empurrar centenas de pessoas para a rua.

Numa semana em que a chuva intensa tem atingido o país, o Porto Canal conversou com quem faz da rua a própria casa, embora sempre à espera de um teto.

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

 

“Ter casa é tudo. É o que uma pessoa que está na rua deseja, é ter casa”. Disse-nos Rui, um homem de 45 anos, natural do Porto, cuja adição o arrastou para a rua há 12 anos. É ajudado pelos Serviços de Assistência Organizações de Maria (SAOM) e pelo Centro de Acolhimento Temporário Joaquim Urbano, onde, à semelhança de centenas de pessoas, toma algumas refeições. Apenas quando sente vontade ou quando o vício dá tréguas.

É aliás a realidade de centenas de pessoas da Área Metropolitana do Porto, ajudadas pelos restaurantes solidários que servem atualmente, uma média de 450 a 500 refeições por dia, apenas ao jantar.

“Ninguém morre à fome no Porto”, comentava o sr. Coelho e Helena, ambos a dormir na zona da Batalha. Apesar de notarem um acréscimo de pessoas a dormir na rua e em situações desfavoráveis, louvam o trabalho das equipas de rua e de associações como os “Anjos Amigos, que ajudam sempre e trazem refeições”.

Apesar do espírito de entreajuda e algum conformismo, o descrédito de algum dia virem a conseguir um teto para dormir é total. “Como é que a gente com 209€ vai ter um quarto? Um quarto aqui (no Porto), o mínimo são 350€”, lamentava o sr. Coelho, a viver do Rendimento Social de Inserção (RSI), enquanto Helena lamentava ter perdido a vaga num albergue, após ter sido internada no Hospital de Magalhães Lemos. “Vais para quartos, vais para as instituições, rua”. E é neste ciclo que, aos 30, vive desde os 18 anos.

 

Número de pessoas em situação de sem-abrigo aumentou 78% em quatro anos

Porto Canal

Desde 2017 que a realidade tem aumentado exponencialmente em todo o país, mesmo em distritos, onde o fenómeno não era tão expressivo, até aos dias de hoje.

Ainda assim, é sobretudo nas grandes cidades do país, que se assiste ao aumento do número de sem-abrigo, sendo que a capital lidera a tabela, com a cidade do Porto a ocupar o segundo lugar.

De acordo com os dados oficiais, são já 10.773 as pessoas que se encontram a dormir na rua, em Portugal. O número contrasta com os 6.044 de 2018, o que representa um aumento de 78%, nos últimos quatro anos.

Ainda que os dados sejam expressivos, a realidade pode ser ainda mais avassaladora, tendo em conta que os números oficiais correspondem à contabilização feita até 31 de dezembro de 2022.

De acordo com o respetivo levantamento, o Porto registava o total de 647 Pessoas em Situação de Sem Abrigo (PSSA), das quais 73,6% sem casa (476 pessoas a viver em respostas sociais – apartamentos partilhados, centros de acolhimento temporário, estruturas residenciais e quartos de pensão), e 28,4% sem teto (171 pessoas). A Área Metropolitana do Porto (AMP) registava um total de 1.339 pessoas em situação de sem-abrigo.

Comparativamente ao ano de 2021, verifica-se uma diminuição de PSSA na cidade do Porto (11,4%) quer na condição de sem teto (26%), quer na condição de sem casa (4,6%), ou seja, sem teto menos 60 e sem casa menos 23.

 

Pobreza em Portugal faz parte das preocupações públicas do Presidente da República

Ainda que, em 2019, Marcelo Rebelo de Sousa tenha traçado o objetivo de tirar das ruas o máximo de pessoas possível, até 2023, chegados à data, não só se pode constatar que foi um plano falhado, como, ao contrário do que desejaria, o país regista agora mais 3.666 pessoas em situação de sem-abrigo, o que representa um aumento de 51%, desde as declarações do Presidente da República, em 2019.

A 17 de outubro deste ano, Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza, o Presidente da República pediu ao Governo “novos modelos de ação” no combate à pobreza, para que seja possível assistir a uma redução “drástica” de sem-abrigo, até 2026. A nova meta fica traçada, num novo plano estratégico a ser implementado a partir de 2024.

"Daquilo que depender de nós - eu sei que o Governo está muito empenhado e a senhora ministra está muito empenhada e estas equipas são sensacionais - vamos fazer tudo para, até 2026, reduzir bastante o número", garantiu Marcelo Rebelo de Sousa, à margem de um encontro promovido pela Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas em Situação de Sem-Abrigo (ENIPSSA), no passado mês.

 

Os motivos apontados pelo Chefe de Estado

Ainda que reconheça que possa ser complicado acabar com situações de sem-abrigo, até 2026, o Presidente da República recua a 2019 e elenca alguns dos factos que considera terem levado à situação de pobreza que o país enfrenta: "Antes, em 2019, estava aquém dos 10.763. Agora, veio a guerra, veio este problema da habitação, veio o problema da inflação, que deitou para a rua muita gente de várias idades, obrigou-os a essa situação de sem-abrigo", afirmou o Chefe de Estado, no encontro promovido pelo ENIPSSA.

Mais recentemente, no passado dia 20 de outubro, Marcelo rebelo de Sousa ressalva, em entrevista ao Expresso da Manhã, que, embora o último recenseamento possa “pecar por defeito, o número de autarquias a divulgar dados é muito superior” e, portanto, “cada vez que há uma atualização, aumenta o número de sem-abrigo”, destacando positivamente o facto de haver mais câmaras envolvidas, que assumem tratar-se de um problema do poder local.

 

A última vaga de frio e as dormidas ao relento

No final de janeiro, a cidade do Porto registou uma vaga de frio com as temperaturas mínimas perto dos pressupostos para ativar o plano de contingência: três dias consecutivos com temperaturas abaixo dos 3ºC, critério definido junto do NPISA - Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo.

As temperaturas rondavam os 5ºC quando o Porto Canal saiu à rua para ouvir quem por lá dormia. Se numa primeira abordagem não revelavam sentir frio, com o desenrolar da conversa acabam por confessar que a última semana de janeiro estava a ser bastante dura, no que às baixas temperaturas dizia respeito.

O Porto Canal esteve em vários ‘spots’ da cidade, desde a Batalha, também na zona junto à Reitoria da Universidade do Porto, passando pela zona da Trindade. Leia a reportagem na íntegra aqui.

+ notícias: Norte

Deslizamento de terras em Castelo de Paiva corta EN222

Um deslizamento de terras ocorrido na localidade de Fornos, em Castelo de Paiva (distrito de Aveiro) obrigou este domimgo ao corte da Estrada Nacional 222 (EN222), colocando ainda uma habitação em risco, disse fonte da Proteção Civil à Lusa.

Raro fenómeno lunar 'pinta' céus de Vila Real

Um fenómeno raro denominado arco íris lunar foi registado este domingo, em Vila Real.

Colisão entre duas viaturas ligeiras deixa uma pessoa encarcerada em Famalicão

Uma colisão entre dois veículos ligeiros de passageiros em Vila Nova de Famalicão, fez, este domingo, três feridos, um deles encarcerado, confirmou o Comando Sub-Regional do Ave, em Fafe.