Futuro da Linha de Leixões com luz ao fundo do túnel

Futuro da Linha de Leixões com luz ao fundo do túnel
| Norte
Henrique Ferreira

A linha de Leixões está prestes a entrar numa nova fase. A Metro do Porto já anunciou que a construção da nova linha de São Mamede vai usar parte da esteira do canal ferroviário e a CP deverá reativar o serviço de passageiros até ao final de 2024. De acordo com um estudo encomendado pela Área Metropolitana do Porto, esta é uma “oportunidade de fecho das redes excecional.”

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

A linha de metro que vai ligar o IPO, no Porto, ao Estádio do Mar, em Matosinhos, deverá ter um troço paralelo à Linha de Cintura do Porto (linha de Leixões), entre as estações de São Mamede e da Pedra Verde, o que pode permitir, no futuro, atrair mais clientes para os dois meios de transporte.

Apesar disso, não está em cima da mesa a circulação do metro e do comboio nos mesmos carris, uma vez que os dois meios de transportes têm bitolas diferentes. O metro funciona com bitola padrão e o comboio com bitola ibérica.

Quanto ao comboio, o Plano Ferroviário Nacional, ainda por aprovar, prevê que “a retoma do serviço de passageiros na linha de Leixões deve ser considerada mesmo sem estar completa a criação das novas estações, dados os pólos geradores de procura que se encontram junto às estações já existentes”.

 Porto Canal

Linha de Leixões é também conhecida como a linha de cintura do Porto

Dois comboios por hora podem regressar já em 2024

As contas, feitas pelo jornal Público, dizem que pode ser possível reativar o serviço de passageiros com dois comboios por hora já no final de 2024. Apesar disso, nenhuma das entidades envolvidas se compromete com prazos.

Do lado da tutela, falta avançar com a construção das plataformas provisórias na Arroteia, na Asprela e na estação final do percurso, em Leça do Balio. As obras, que dependem da Infraestruturas de Portugal (IP), são passíveis de serem concretizadas em poucos meses.

Quanto aos acessos, a Câmara Municipal de Matosinhos garante, em resposta ao Público, que “está disponível para promover as condições necessárias de acessibilidade às estações”.

Faltam depois os comboios, mas a CP parece já ter um plano. A ideia é aproveitar parte dos suburbanos com procedência de Aveiro, que em vez de inverterem a marcha e seguirem para a Estação de São Bento podem viajar diretamente para a Linha de Leixões.

Frequência e estações intermodais podem ser chave para o sucesso

Segundo um especialista em ferrovia ouvido pelo Porto Canal, há três pontos a ter em atenção na hora de reativar a linha de Leixões.

Em primeiro lugar, uma frequência de comboios que permita criar hábitos nos utilizadores. Apesar de a CP colocar em cima da mesa a hipótese de a linha funcionar com dois comboios por hora, esta periodicidade pode não ser suficiente para captar utilizadores que, habitualmente, tendem a preferir tempos de espera mais curtos.

Depois, os especialistas apontam a necessidade de construir estações intermodais, sempre que o comboio se cruze com o metro. No futuro vai acontecer em São Mamede de Infesta e em Pedras Verdes, mas já se verifica noutras zonas, nomeadamente em Esposade, Araújo e no final do percurso, já em Matosinhos.

Porto Canal

Proposta do traçado da linha de Leixões

Terminar a viagem apenas no Porto de Leixões, e não em Leça do Balio, como aconteceu na última tentativa de reativação da linha, em 2010, é o terceiro ponto apontado. Não levar o percurso até ao fim é, para quem se dedica ao estudo da ferrovia, “amputar” o projeto.

Linha de Leixões é “oportunidade excecional”

A 28 de maio de 2021, o Conselho Metropolitano do Porto aprovou um acordo de colaboração entre a Área Metropolitana do Porto, a IP e cinco municípios para a avaliação da implementação de uma solução ferroviária na Linha de Leixões.

Um estudo encomendado pela AMP à consultora Trenmo considerou que a linha de Leixões constitui uma “oportunidade de fecho das redes excecional”, com reativação estimada em 65,5 milhões de euros.

 Porto Canal

Linha de Leixões liga Campanhã ao porto na foz do Rio Leça

O estudo destaca ainda as integrações que a linha ferroviária de Leixões possibilita com o Metro do Porto.

A consultora em transportes salienta que a linha de Leixões se cruza, no imediato, com o Metro do Porto através da “linha A (na proximidade da estação do Senhor de Matosinhos), as linhas B e E (na proximidade da estação de Esposade), a linha C (na proximidade da estação de Araújo), a linha D (na proximidade da estação do Hospital de S. João)”.

Quanto às estações que, no futuro, podem vir a servir uma “renovada” linha de Leixões. A CP defende a ligação entre Campanhã, Contumil, Hospital de São João, São Mamede de Infesta, Arroteia (servindo a EFACEC) e Leça do Balio (servindo a Lionesa e a Unicer), numa primeira fase, e Custió-Araújo, Guifões e Leixões numa segunda fase.

Já o estudo da Trenmo inclui as paragens Senhor de Matosinhos, Portela (com acesso ao MarShopping) Aeroporto, Esposade, Araújo, Leça do Balio, Arroteia, São Mamede de Infesta, Hospital de São João e São Gemil.

Uma história feita de avanços e recuos

A reativação da exploração comercial da também chamada Linha de Cintura do Porto, que liga Contumil ao porto localizado na foz do rio Leça, é uma reivindicação antiga de utentes e especialistas em transportes.

A construção da linha foi aprovada em 4 de julho de 1905, mas a primeira empreitada apenas foi adjudicada a 25 de setembro de 1915. As obras só começaram em 1921, mas foram várias vezes interrompidas até 1926.

A inauguração da linha só aconteceu em 1938 e a eletrificação 60 anos depois, em 1998. Antes disso, em 1987, o serviço de passageiros foi interrompido, passando a linha a estar totalmente dedicada ao transporte de mercadorias, ao serviço do maior porto do norte do país.

Entre 2010 e 2011, o serviço de passageiros foi restabelecido, mas o investimento de quase sete milhões de euros acabou por não compensar. A linha registou, nesse período, uma média de apenas 4500 utilizadores mensais.

Segundo os especialistas, a abertura da linha apenas entre Ermesinde e Leça do Balio e o facto de não ter sido construída nenhuma estação intermodal, nomeadamente na zona do Hospital de São João e pólo universitário da Asprela, foram os principais entraves ao sucesso da operação.

Porto Canal

Estação de Leça do Balio, em Matosinhos

Além disso, aponta-se o facto de a linha ter funcionado como um ramal e não como um sistema ferroviário em anel.

Desde o último encerramento, o troço é apenas utilizado para a circulação de comboios de mercadorias, que fazem a ligação ao Porto de Leixões. Passageiros só mesmo os funcionários da CP, que podem viajar até às Oficinas de Guifões em quatro comboios diários.

+ notícias: Norte

Câmara do Porto vai abater 20 árvores no Parque do Covelo

A Câmara do Porto vai abater 20 árvores no Parque do Covelo dada a “irremediável fragilidade” das espécies e o “potencial perigo para pessoas e bens”, anunciou hoje a autarquia.

Derrocada desaloja três pessoas em Vieira do Minho

Três pessoas estão desalojadas desde este domingo, na sequência de uma derrocada numa empreitada de acesso a um novo empreendimento turístico, em Louredo, Vieira do Minho.

Ferido grave após despiste de camião em Paredes

Um despiste de um veículo pesado de mercadorias provocou um ferido grave na tarde desta segunda-feira na localidade de Beire, no concelho de Paredes.