Costa deseja “maiores felicidades” a Américo Aguiar, o mais recente cardeal português

Costa deseja “maiores felicidades” a Américo Aguiar, o mais recente cardeal português
| País
Porto Canal / Agências

O primeiro-ministro, António Costa, desejou as “maiores felicidades” ao bispo Américo Aguiar, que se torna este sábado no 47.º cardeal português, considerando que é um “sinal do reconhecimento do seu mérito e trabalho”.

“No dia em que recebe do Papa Francisco as insígnias de Cardeal, desejo as maiores felicidades a D. Américo Aguiar. É um sinal do reconhecimento do seu mérito e trabalho”, lê-se numa mensagem na conta oficial do chefe do executivo português na rede social X (antigo Twitter).

Costa acrescenta que Américo Aguiar “vai para uma Diocese muito importante e exigente, Setúbal, onde seguramente também fará um excelente trabalho”.

O bispo Américo Aguiar torna-se no 47.º cardeal português, no consistório ordinário público, o nono do Papa Francisco.

Américo Aguiar, novo bispo de Setúbal, tem 49 anos.

Ordenado sacerdote em 2001, sendo integrado na Diocese do Porto, nesta desempenhou vários cargos, como pároco e vigário-geral. Foi também diretor do Secretariado Nacional das Comunicações Sociais da Conferência Episcopal Portuguesa e presidente da Irmandade dos Clérigos, antes de ingressar na Diocese de Lisboa, onde foi bispo auxiliar.

Além de Américo Aguiar, são criados mais 17 cardeais eleitores.

+ notícias: País

Vinte e quatro vítimas de abuso querem indemnização da Igreja Católica

O grupo Vita recebeu até ao momento 24 pedidos de indemnização financeira, por danos sofridos, de vítimas de abuso sexual no seio da Igreja Católica em Portugal, iniciando na terça-feira um roteiro pelas dioceses do país, foi este domingo anunciado.

FC Porto vai ter jogo difícil frente a Belenenses moralizado afirma Paulo Fonseca

O treinador do FC Porto, Paulo Fonseca, disse hoje que espera um jogo difícil em casa do Belenenses, para a 9.ª jornada da Liga de futebol, dado que clube "vem de uma série de resultados positivos".

Proteção Civil desconhece outras vítimas fora da lista das 64 de acordo com os critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) disse hoje desconhecer a existência de qualquer vítima, além das 64 confirmadas pelas autoridades, que encaixe nos critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro.