Músicos do STOP com sentimento de insegurança permanente quanto ao futuro

Músicos do STOP com sentimento de insegurança permanente quanto ao futuro
Foto: Ana Francisca Gomes | PortoCanal
| Porto
Porto Canal

O centro comercial Stop, no Porto, vai continuar a funcionar por tempo indeterminado na sequência de uma providência cautelar interposta pelos proprietários à decisão da câmara de encerrar o edifício.

Apesar de o encerramento não chegar em breve, os músicos do STOP vivem momentos de insegurança e incerteza quanto ao futuro.

Esta sexta-feira a providência cautelar de um dos proprietários do Centro Comercial STOP para anular a decisão da câmara do Porto foi aceite.

Em causa está decisão de despejar os músicos e lojistas do STOP.

A decisão de encerrar o STOP está, assim, suspensa, mas Rui Moreira afirma que a autarquia vai manter as medidas de mitigação “por uma questão de prudência”, referindo que “os músicos terão cuidados redobrados, porque eles próprios percebem que há uma situação de risco”, afirmou o edil aos jornalistas.

Os músicos e a administração do condomínio do Stop, vão ser ouvidos na terça-feira (26 de setembro) na Comissão Parlamentar de Cultura.

+ notícias: Porto

Porto vai ter mais ruas com acesso condicionado a automóveis

O executivo municipal aprovou por maioria, na reunião desta segunda-feira, a aquisição de serviços para a manutenção do sistema de gestão das Zonas de Acesso Automóvel Condicionado (ZAAC) existentes. Mas vão ser criadas novas zonas.

Metrobus. Acesso da Avenida da Boavista à Rua António José da Costa vai estar interdito

Com a construção da primeira fase do traçado do metrobus, o acesso da Avenida da Boavista à Rua António José da Costa estará interdito a partir de terça-feira e até 12 de abril. Desta forma, os automobilistas que tencionem dirigir-se a esta artéria terão de seguir pelas ruas António Cardoso e António Patrício.

"Novo governo vai ter de assumir" futuro da Ponte Maria Pia, defende Eduardo Vítor Rodrigues

O presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia alertou esta segunda-feira para a necessidade de o próximo governo acertar o futuro da antiga ponte ferroviária Maria Pia, cuja intervenção foi estimada em 15 milhões de euros.