Antiga Casa da Câmara, no Porto, reabre com exposição dedicada a Fernando Távora

Antiga Casa da Câmara, no Porto, reabre com exposição dedicada a Fernando Távora
Foto: Guilherme Costa Oliveira
| Porto
Porto Canal

A Antiga Casa da Câmara, sita no Morro da Sé, reabriu as portas, esta quinta-feira, ao fim de sete anos, trazendo consigo o simbolismo do centenário do nascimento de Fernando Távora, numa exposição - “A Urgência da Cidade: o Porto e 100 anos de Fernando Távora” – que pode ser visitada até 29 de outubro.

Esta é a primeira de cerca de 30 iniciativas à volta da figura tutelar do célebre arquiteto, figura fundadora da Escola do Porto. 

A mostra oferece, em simultâneo, uma viagem pela história da Invicta, como também sobre o arquiteto, propondo um roteiro de vida e obra, que põe em evidência projetos como o estudo de renovação do Barredo ou a reabilitação do Palácio do Freixo.

Esta é uma reabertura muito aguardada e que proporciona um reencontro com “a memória coletiva, o património histórico e a identidade cultural”, com os “valores, sentimentos, tradições e vivências que forjaram o nosso caráter de portuenses”. Recorde-se que a "Casa dos 24" foi alvo de um processo de reabilitação, sendo agora entregue ao projeto artístico do Museu do Porto e, assim, devolvida à cidade.

Na data em que se assinala o centenário do nascimento do arquiteto Fernando Távora, “a exposição que reabre a Antiga Casa da Câmara – tal como a precedente intervenção de conservação e restauro – é, em si mesma, uma operação urgente de resgate”, sublinha o diretor do Museu e Bibliotecas do Porto, Jorge Sobrado.

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

Das ruínas à nova vida

A sua história remonta ao século XV, a antiga Casa da Câmara, construída em meados de 1450, considerada a primeira sede do poder autárquico. Também conhecido como "Casa dos 24", no emblemático edifício reuniam-se, até final do século XVII, em assembleia, os chamados homens-bons, ou os representantes dos 24 ofícios da cidade.

Em 1875, um incêndio destruiu por completo o edifício, tendo sido apenas reerguido em 2002, na recriação contemporânea da perdida torre medieval, projeto do arquiteto Fernando Távora.

Fernando Távora, 100 anos de um visionário

Na inauguração da exposição “A Urgência da Cidade: o Porto e 100 anos de Fernando Távora”, ao final da tarde desta quinta-feira, Rui Moreira lembrou a “marca indelével” deixada por “um dos maiores mestres da arquitetura contemporânea nacional e internacional” ao “restituir ao Porto toda a monumentalidade e simbolismo da Antiga Casa da Câmara”.

As várias obras de Fernando Távora marcaram a arquitetura portuguesa. Exemplos disso são a Casa de Ofir (Esposende), o Mercado da Vila da Feira (Santa Maria da Feira), o Pavilhão de Ténis da Quinta da Conceição (Matosinhos), a Escola do Cedro (Gaia), a Pousada de Santa Marinha da Costa (Guimarães), o Anfiteatro da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra e a Casa dos 24 (Porto).

Fernando Távora morreu a 3 de setembro de 2005 em Matosinhos, tinha 82 anos.

+ notícias: Porto

Um ano depois do novo regulamento, Movida continua a não dar descanso aos moradores da Baixa do Porto

“Eles ficam com o dinheiro, e nós ficamos com o barulho”. O desabafo de Paula Amorim perdura há mais de 15 anos, altura em que a vida noturna começou a crescer na Baixa do Porto. A moradora, juntamente com outra, Sara Gonçalves, tem sido o rosto de uma luta que parece não ter fim, nem com um novo regulamento lançado há um ano: “Não desisto porque tenho direito ao descanso”. Câmara admite rever regras.

Porto vai ter mais ruas com acesso condicionado a automóveis

O executivo municipal aprovou por maioria, na reunião desta segunda-feira, a aquisição de serviços para a manutenção do sistema de gestão das Zonas de Acesso Automóvel Condicionado (ZAAC) existentes. Mas vão ser criadas novas zonas.

Metrobus. Acesso da Avenida da Boavista à Rua António José da Costa vai estar interdito

Com a construção da primeira fase do traçado do metrobus, o acesso da Avenida da Boavista à Rua António José da Costa estará interdito a partir de terça-feira e até 12 de abril. Desta forma, os automobilistas que tencionem dirigir-se a esta artéria terão de seguir pelas ruas António Cardoso e António Patrício.