PCP diz que criação de empresa de transportes na Área Metropolitana do Porto é um "mau caminho"

PCP diz que criação de empresa de transportes na Área Metropolitana do Porto é um "mau caminho"
| Norte
Porto Canal / Agências

O PCP considerou que a criação de uma empresa de transportes na Área Metropolitana do Porto (AMP) é um "mau caminho", sendo parte de um processo "que visa a entrega a privados da operação rodoviária de transportes".

Num comunicado enviado esta terça-feira pela Direcção da Organização Regional do Porto (DORP) do PCP às redações, o partido considera que a criação da empresa metropolitana de transportes representa "a consolidação de um mau caminho".

"É peça de um caminho que visa a entrega a privados da operação rodoviária de transportes, sem o reforço da operação e com a degradação do serviço onde se admite, por exemplo, que o operador privado não cumpra 30% dos horários sem qualquer penalização", considera o PCP.

Para o PCP, "não é possível uma solução de mobilidade regional continuando a tratar 'à peça' o que tem que ser articulado e coordenado", não fazendo sentido "separar a operação da cidade do Porto da restante operação da AMP", tal como "não faz sentido tratar da rede de autocarros desligada da rede de metro e da exigência de um calendário para a construção das novas linhas de Metro do Porto".

Os comunistas notam ainda ter sido "anunciado vagamente" que a empresa integrará os Transportes Intermodais do Porto (TIP), "sem que tenha sido tornado público que actividades concretas desenvolverá, muito menos se se destina a coordenar as operações (redes, horários, articulação intermodal dos meios, etc.) em função das necessidades das populações", ou se "permitirá contrariar que a STCP esteja cada vez mais remetida ao concelho do Porto".

Para os comunistas, a criação da empresa, aprovada por unanimidade pelos 17 autarcas da AMP na reunião do Conselho Metropolitano de sexta-feira, reflete que aquele órgão está "perdido em esquemas e 'equilíbrios' de poder".

"O processo, que se arrasta há mais de três anos, revelando impreparação e incompetência dos órgãos metropolitanos, evidencia uma convergência das forças políticas que presidem às várias câmaras municipais da AMP", considera o PCP, para quem PS, PSD, IL e CDS, também no plano metropolitano, "convergem nos assuntos essenciais, faltando com as soluções que há muito a região precisa".

O PCP sugere por isso "um caminho diferente", em que a STCP serviria como "operador interno da Área Metropolitana do Porto, assumindo a responsabilidade pela operação nos seis concelhos (Porto, Gaia, Gondomar, Matosinhos, Maia e Valongo) onde intervém" e uma "calendarização do alargamento faseado aos restantes concelhos onde a STCP passaria futuramente a assumir a operação, substituindo os privados".

O comunicado da DORP do PCP aponta ainda a "medidas de defesa e salvaguarda dos postos de trabalho das empresas privadas que fazem hoje o serviço, designadamente com a prioridade à contratação para a STCP destes motoristas (e outros trabalhadores) para responder às necessidades decorrentes do alargamento da operação".

Na sexta-feira foi aprovada a criação da futura empresa de transportes na AMP, fazendo com que este setor tenha "uma gestão única, de âmbito metropolitano" ao nível da rede e da bilhética Andante, segundo o presidente da AMP, Eduardo Vítor Rodrigues.

"Isto legitima a Comissão Executiva para a encomenda e pagamento da revisão final dos estatutos e do estudo económico-financeiro, que depois será votado em setembro", disse o responsável metropolitano, apontando para "uma simultaneidade" entre a constituição da empresa e a sua entrada em funcionamento e o da nova rede metropolitana de autocarros, denominada UNIR, até 01 de novembro.

+ notícias: Norte

Câmara do Porto vai abater 20 árvores no Parque do Covelo

A Câmara do Porto vai abater 20 árvores no Parque do Covelo dada a “irremediável fragilidade” das espécies e o “potencial perigo para pessoas e bens”, anunciou hoje a autarquia.

Derrocada desaloja três pessoas em Vieira do Minho

Três pessoas estão desalojadas desde este domingo, na sequência de uma derrocada numa empreitada de acesso a um novo empreendimento turístico, em Louredo, Vieira do Minho.

Ferido grave após despiste de camião em Paredes

Um despiste de um veículo pesado de mercadorias provocou um ferido grave na tarde desta segunda-feira na localidade de Beire, no concelho de Paredes.