Operação Tutti Frutti. Benfica terá sido favorecido em cerca de dois milhões de euros

Operação Tutti Frutti. Benfica terá sido favorecido em cerca de dois milhões de euros
| País
Porto Canal

Em causa está o favorecimento da Câmara de Lisboa ao Benfica na altura em que Luís Filipe Vieira era presidente, noticia a SIC.

A investigação do Ministério Público terá recaído sobre suspeitas de favorecimento da autarquia ao clube da Luz, no que concerne ao pagamento de uma taxa urbanística no valor de um milhão e 700 mil euros.

O presidente encarnado à altura, Luís Filipe Vieira, terá pedido a isenção quando António Costa era presidente da Câmara de Lisboa, contudo o processo transitou para a presidência de Fernando Medina.

O Benfica defendia que as obras referentes ao museu, ao canal do clube e a uma superfície comercial deveriam estar isentas da taxa. Chegou mesmo a haver um despacho da autarquia com resposta afirmativa, mas foi retirado dias antes de ser discutido em Assembleia Municipal, refere a SIC.

Depois de reformulação o despacho, de Manuel Salgado, vereador do Urbanismo aquando da presidência de Medina, viria a atribuir uma redução de 50% da taxa, poupando um milhão e 700 mil euros aos cofres encarnados.

Como foi já noticiado, Medina é suspeito de ter favorecido o Benfica ao fornecer ao ex-presidente do clube encarnado informação que seria confidencial. Além disso, Luís Filipe Vieira terá pedido também ao antigo autarca da Câmara de Lisboa para desbloquear a isenção de IMI do prédio do filho.

+ notícias: País

Governo candidata dois projetos de 100 milhões de euros para investir na economia do mar, no âmbito do PRR

O secretário de Estado do Mar anunciou esta quinta-feira que o Governo candidatou à reprogramação dos fundos do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) dois projetos para investir na economia do mar, num investimento global de 100 milhões de euros.

“Filandorra está em risco de extinção nos próximos três meses”, diz diretor 

O diretor da Filandorra diz que a companhia de teatro está em risco de se extinguir nos próximos três meses.

Alunos vão terminar ano letivo sem computadores prometidos pelo Governo

Os alunos vão terminar o ano letivo sem os computadores que foram prometidos pelo Governo.