Oposição e associação contra construção de via de ligação ao AvePark em Guimarães

Oposição e associação contra construção de via de ligação ao AvePark em Guimarães
| Norte
Porto Canal/Agências

A oposição PSD/CDS-PP e a Associação Vimaranense para a Ecologia apelaram esta quinta-feira ao presidente da Câmara de Guimarães para que desista da construção da via de ligação ao Avepark, mas Domingos Bragança mantém que projeto é estratégico.

Os apelos para que o município abandone o projeto de construção de uma via de ligação ao AvePark – Parque de Ciência e Tecnologia de Guimarães, de cerca de 7 quilómetros e que vai custar mais de 40 milhões de euros, quando inicialmente as previsões apontavam para 18,4 milhões de euros, foram feitos na reunião do executivo camarário.

O vereador Ricardo Araújo (PSD/CDS-PP) lembrou que sempre foi contra este projeto, com quase uma década, defendendo, antes, a requalificação da Estrada Nacional 101, com uma “derivação” até ao AvePark, e um canal dedicado que ligue Guimarães à Vila das Taipas, como forma de melhorar a mobilidade no concelho.

Em declarações aos jornalistas após a reunião camarária, o vereador eleito pela coligação PSD/CDS-PP sublinhou que o projeto está previsto ser desenvolvido em “60% de terrenos” de Reserva Ecológica e de Reserva Agrícola Nacional, apelando a que Domingos Bragança (PS) que “não insista no erro” e que “repense” esta via.

Ricardo Araújo desafiou ainda o autarca a tornar públicos os estudos de impacto ambiental, que a Câmara de Guimarães diz terem sido feitos ao longo dos anos e que apenas contemplam alguns “condicionantes”, segundo Domingos Bragança.

“A via do AvePark é uma via estratégica para o desenvolvimento de Guimarães e da região”, frisou o presidente da Câmara de Guimarães, assumindo o compromisso de disponibilizar publicamente os estudos de impacto ambiental.

Domingos Bragança assume que neste momento não tem o financiamento (40 milhões de euros) assegurados para poder lançar o concurso público, mas que está a fazer todos os esforços junto do Governo para que disponibilize parte da verba necessária.

A associação Vimaranense para a Ecologia (AVE), que esteve presente na reunião camarária, e o movimento cívico STOP Via AvePark, estão contra a construção deste projeto rodoviário que prevê atravessar Ponte, União de Freguesias de Prazins Santo Tirso e Corvite, Santa Eufémia de Prazins e Barco, ao longo dos sete quilómetros de extensão.

“Peço ao Sr. presidente que considere cancelar, o quanto antes, o projeto da via do AvePark. Peço que o considere em coerência com o seu discurso de sustentabilidade ambiental, para salvaguardar a imagem de Guimarães que tanto estima, pela sustentabilidade ambiental, pelo ordenamento do território, pela população afetada, pela racionalidade financeira, mas, acima de tudo que o considere pelas gerações futuras”, apelou José Cunha, um dos vogais da direção da associação ambientalista, na sua intervenção.

Caso o município não recue, este responsável pela AVE diz que vão avançar judicialmente.

“E no dia que este projeto for cancelado - porque o será - não venham responsabilizar os ambientalistas, ou presidentes de junta e as comunidades por este desperdício de recursos, pois a responsabilidade – e perdoe-me a frontalidade - é exclusiva do Sr. presidente da Câmara, que teima de forma obsessiva nesta via de acesso desastrosa e inútil, e na qual já quase ninguém acredita”, afirmou José Cunha.

Na terça-feira, elementos do movimento cívico STOP Via AvePark protestou contra o projeto, aproveitando a presença do secretário de estado do Ambiente, Hugo Pires, durante uma iniciativa, em Guimarães.

O grupo cívico considera que este projeto “danificará para sempre” as freguesias afetadas, sublinhando tratar-se de “um trajeto invasor que irá impermeabilizar o terreno, a circulação da água, o equilíbrio do solo, a continuidade dos habitats, da biodiversidade e que promoverá a poluição”.

“Os espaços verdes destas freguesias são indispensáveis para a qualidade de vida e para o equilíbrio psicofisiológico das populações, principalmente dos mais idosos, estes ambientes desempenham um importante papel social. Esta via destruirá, ainda, imóveis e campos agrícolas, sustento de várias pessoas e a atividade de muitos idosos que por cá habitam, sendo esta uma prática que adotam para se manterem ativos”, defende o STOP Via AvePark.

+ notícias: Norte

Chamas consomem apartamento e deixam família desalojada em Matosinhos

Duas pessoas ficaram desalojadas após um incêndio num apartamento em São Mamede de Infesta, Matosinhos, que obrigou ainda à evacuação do prédio, na noite desta terça-feira.

Mulher agredida por marido com martelo e facada no pescoço em Gaia

Uma mulher com cerca de 60 anos foi agredida pelo marido, na manhã desta quarta-feira, com uma facada no pescoço em Vilar de Andorinho, Vila Nova de Gaia. Vítima terá sido ainda agredida com um martelo.

Condutora morre após colidir contra poste de eletricidade em Paredes

Uma mulher com cerca de 70 anos faleceu, na manhã desta quarta-feira, após ter-se despistado contra um poste de eletricidade na freguesia de Vilela, no concelho de Paredes.