Três em cada quatro portugueses concordam com reprivatização da TAP. Mais de metade queria demissão de Medina 

Três em cada quatro portugueses concordam com reprivatização da TAP. Mais de metade queria demissão de Medina 
| País
Porto Canal

Uma grande maioria dos portugueses (74%) diz que concorda com a reprivatização da TAP, contra apenas 16% que a rejeitam em qualquer cenário.

Os dados são da mais recente sondagem da Aximage para o Diário de Notícias, JN e TSF, que revela que a maioria dos inquiridos que concorda com a venda da empresa, gostaria que houvesse algumas condições: um terço só aceitaria se o estado recebesse mais do que os 3,2 mil milhões de euros injetados na companhia aérea.

Já 27% exxigem que o Estado fique como acionista, sendo que apenas 17% concorda com a venda incondicional.

A sondagem mostra também que dois terços dos inquiridos concordam com a decisão da demissão da administração da TAP, liderada por Christine Ourmières-Widener, e mais de metade aponta culpas ao executivo, uma vez que 55% dos inquiridos defende que Medina devia ter sido demitido na sequência da indemnização milionária paga a Alexandra Reis, aquando da sua saída da companhia.

No que diz respeito a uma visão geográfica, a região Norte (sem incluir área Metropolitana do Porto) é a que maior percentagem defende a privatização da TAP (81%).

No Porto desce para 75% e na área Metropolitana de Lisboa, Centro e Ilhas o apoio à venda da empresa ultrapassa os 70%.

No que toca às respostas por idades, a faixa mais nova (18 a 34 anos) é a que mais defende a privatização (79%). Já a faixa etária mais idosa (maiores de 65) é onde essa ideia menos vinga (68%).

Relativamente ao número de inquiridos que defendem que o Estado mantenha a empresa, este regista uma subida consoante a idade, variando entre 10% (18-34 anos) e 21% (mais de 65).

+ notícias: País

DGS emite orientações para unidades de saúde detetarem precocemente casos de sarampo

A Direção-Geral da Saúde (DGS) emitiu orientações para as instituições prestadoras de cuidados de saúde para promover um “inquérito de risco infeccioso” na admissão do doente para identificar precocemente casos suspeitos de sarampo.

Mais de 500 pessoas detidas numa semana em Portugal

504 pessoas foram detidas pela Polícia de Segurança Pública (PSP) em todo o país, entre 15 a 21 de junho. Entre as detenções, 145 são relativas a crimes rodoviários, sendo que 68 são por condução sob o efeito de álcool e 77 por falta de habitação legal para conduzir.

Ministério da Saúde adia reuniões com sindicatos médicos

O Ministério da Saúde adiou as reuniões negociais que estavam agendadas para a próxima semana com a Federação Nacional dos Médicos e o Sindicato Independente dos Médicos, disseram hoje à Lusa os respetivos líderes sindicais.