TAP. Medina confiante que Estado está protegido pela "realidade dos factos" no despedimento da CEO

TAP. Medina confiante que Estado está protegido pela "realidade dos factos" no despedimento da CEO
| País
Porto Canal/Agências

O ministro das Finanças afirmou esta quinta-feira que o Estado está protegido pela “realidade dos factos” sobre os fundamentos da demissão da anterior presidente-executiva da TAP, exonerada pelo Governo por justa causa, considerando que os argumentos utilizados são sólidos e evidentes.

Fernando Medina falava aos jornalistas no final de uma audição parlamentar na Comissão de Orçamento e Finanças (COF), quando questionado sobre se o Estado estava protegido sobre os fundamentos da decisão de exoneração de Christine Ourmières-Widener.

“Sinto que está protegido pela realidade dos factos. Alguém percebe no nosso país que fazer um pagamento considerado ilegal pela Inspeção-Geral das Finanças (IGF) de meio milhão de euros não é uma ilegalidade grave?”, disse.

O governante justificou que se o pagamento da indemnização de 500 milhões de euros à ex-administradora da TAP Alexandra Reis foi considerado uma ilegalidade pela IGF “é motivo de despedimento por justa causa ao abrigo da Lei”.

“Os interessados têm direito a disputar isso num tribunal. Creio que os argumentos de se considerar grave um pagamento ilegal de 500 mil euros creio, para mim são claros, são sólidos, evidentes”, afirmou.

Durante a audição esta quinta-feira na COF, o ministro das Finanças indicou não haver "nenhum parecer adicional" a fundamentar a demissão do ‘chairman’ e da presidente da comissão executiva (CEO) da TAP além do que resulta do relatório da IGF.

Em causa está o parecer que alegadamente serviu de fundamento para a demissão da presidente-executiva da TAP por justa causa, que Fernando Medina disse esta quinta-feira não existir, depois de o Governo ter admitido a sua existência, através dos ministros da Presidência e dos Assuntos Parlamentares

Questionado sobre as declarações do executivo esta quarta-feira com referência ao parecer, o ministro não respondeu completamente à questão, repetindo por diversas vezes que na decisão final aprovada na Assembleia-Geral constam o conjunto dos argumentos que o acionista entendeu para tomar essa sua decisão, considerando que “se alguém entender contestar essa decisão o que tem a contestar é esse documento”, já que “está lá tudo plasmado”.

Sobre o argumento utilizado pelo executivo que “a sua divulgação envolve riscos na defesa jurídica da posição do Estado", Fernando Medina justificou que “os pedidos que foram feitos e nas declarações de responsáveis do PSD” vinha mais do que o conteúdo da Assembleia-Geral: “Vinha aquilo que foi feito do ponto de vista da formulação dos documentos”.

“Isso não tem nenhuma relevância do ponto de vista material. Do ponto de vista material o que existem são estes documentos, são estas decisões. Um dia se alguém entender no seu livre direito contestar, aquilo que irá contestar juridicamente é naturalmente a peça da decisão, que foi a peça aprovada em Assembleia-geral”, afirmou.

Fernando Medina sublinhou que não pediu nenhum parecer a qualquer sociedade de advogados, mas aconselhou-se: “O Governo só tomou uma decisão depois de termos pedido uma avaliação integral e completa à IGF, que demorou longas semanas, meses a fazer essa avaliação e concluiu pela existência de uma ilegalidade”, reiterou.

Durante a audição Medina garantiu que o fornecimento de informação à CPI nunca constituirá um problema, mas avançou: "Não há nenhum parecer, a ideia que se criou de que haveria um parecer… não há nenhum parecer adicional àquilo que é a base da justificação da demissão”.

O ministro precisou que "existe depois a tradução de um relatório da IGF no que é uma peça que no fundo traduz o ato do acionista relativamente ao início do processo de despedimento, aprovado em assembleia-geral da empresa, a comunicação da intenção de despedimento. Existe depois a resposta dos visados relativamente a essa intenção e existe depois a decisão final a esse processo. Isto é o que existe".

Afirmando que "há trabalho feito […] na transformação do que é a base do relatório da IGF relativamente à decisão que é tomada", acrescentou que o Governo vai aguardar o recebimento do requerimento que a comissão vai enviar e na base desse requerimento vai "analisar aquilo que é colocado", garantindo: "Certamente forneceremos aquilo que houver a fornecer".

+ notícias: País

DGS emite orientações para unidades de saúde detetarem precocemente casos de sarampo

A Direção-Geral da Saúde (DGS) emitiu orientações para as instituições prestadoras de cuidados de saúde para promover um “inquérito de risco infeccioso” na admissão do doente para identificar precocemente casos suspeitos de sarampo.

Mais de 500 pessoas detidas numa semana em Portugal

504 pessoas foram detidas pela Polícia de Segurança Pública (PSP) em todo o país, entre 15 a 21 de junho. Entre as detenções, 145 são relativas a crimes rodoviários, sendo que 68 são por condução sob o efeito de álcool e 77 por falta de habitação legal para conduzir.

Ministério da Saúde adia reuniões com sindicatos médicos

O Ministério da Saúde adiou as reuniões negociais que estavam agendadas para a próxima semana com a Federação Nacional dos Médicos e o Sindicato Independente dos Médicos, disseram hoje à Lusa os respetivos líderes sindicais.