CGTP exige fixação de preços máximos nos bens essenciais e taxação de lucros

CGTP exige fixação de preços máximos nos bens essenciais e taxação de lucros
| País
Porto Canal/Agências

A CGTP considerou esta sexta-feira que o Governo continua sem dar resposta ao aumento dos preços e exige medidas como a fixação de preços máximos nos bens essenciais, a taxação dos lucros e a subida dos salários e pensões.

Em comunicado, a central sindical critica o programa de ação do Governo anunciado na quinta-feira pelo ministro da Economia, António Costa Silva, para combater “as situações anómalas” quanto aos preços no setor alimentar, como referiu o governante.

"Sem prejuízo de uma análise mais aprofundada, a CGTP-IN considera a ação proposta pelo Governo como completamente desfasada da situação com que se deparam os trabalhadores, pensionistas e suas famílias", sublinha a intersindical, acrescentando que o Governo "continua a não dar resposta ao aumento brutal dos preços".

Segundo a CGTP, "a especulação que alimenta os lucros" nos setores da grande distribuição, energia ou habitação "é uma realidade que se acentuou de forma gritante no decorrer do ano de 2022, perante a ação conivente do Governo que nada fez ou faz para a travar".

A situação "exige medidas concretas", defende a central sindical liderada por Isabel Camarinha.

Para a CGTP, "a fixação de preços máximos nos bens e serviços essenciais, colocar limites às práticas do setor financeiro e taxar efetivamente os lucros e outras fontes de rendimento do capital são exigências possíveis, necessárias e que dependem apenas da opção política do Governo e da maioria que o suporta".

Estas exigências têm de ser acompanhadas por aumentos de salários e pensões que invertam a perda de poder de compra, acrescenta.

Na quinta-feira, em conferência de imprensa, o ministro da Economia prometeu “ser inflexível” para com todas as situações anómalas no setor alimentar.

António Costa Silva sublinhou que, nos últimos tempos, o país tem estado preocupado com o setor alimentar face à subida dos preços, numa altura em que a inflação está a descer, assim como o preço da energia e fertilizantes.

“Isto contrasta, em absoluto, com o que se passa a nível dos preços dos bens alimentares. Por isso, o Governo desenvolveu uma estratégia e está a trabalhar em seis dimensões. Respeitamos os operadores económicos, mas também respeitamos muito os direitos dos consumidores”, apontou.

A primeira grande dimensão tem a ver com a atuação da ASAE no país, instituição que o ministro classificou como “excelente”.

Para António Costa Silva é igualmente importante compreender a estrutura de preços do setor, desde a produção à comercialização, passando pela distribuição.

O ministro assegurou que vai ser exigida transparência neste processo, vincando ser um “beneficio para todos os operadores” a disponibilização de informações à ASAE.

O Governo quer também continuar a estabelecer contactos com os representantes dos vários operadores e convocar a PARCA – Plataforma de Acompanhamento nas Relações na Cadeia Agroalimentar.

Por outro lado, vai continuar a dotar a ASAE de todas as condições e trabalhar com todos os “organismos relevantes” para este setor.

+ notícias: País

Portugal proibido de pescar carapau

A frota portuguesa esgotou a quota de pesca de carapau, na zona do Golfo da Biscaia Meridional, ficando estas capturas proibidas a partir de segunda-feira, anunciou esta segunda-feira a Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM).

Campanha em 600 farmácias para utentes doarem o troco das suas compras e ajudarem quem mais precisa

A campanha “Dê troco a quem precisa” arranca esta segunda-feira em cerca de 600 farmácias de todo o país que vão “convidar os utentes” a doar o troco das suas compras para ajudar quem mais precisa a comprar medicamentos.

APAV ajudou oito crianças todos os dias durante os últimos dois anos

Mais de 5.660 crianças e jovens foram apoiados pela Associação Portuguesa de Apoio à Vitima (APAV) nos últimos dois anos, um valor que subiu 18,2% no ano passado, chegando a uma média de oito por dia.