“A carta já está escrita e já seguiu”. Metro do Porto responde à autarquia sobre os atrasos nas obras da Linha Rosa

| Porto
Porto Canal

O presidente da Metro do Porto tinha anunciado que iria responder ao autarca da cidade por carta e a missiva, garante Tiago Braga ao Porto Canal, já foi enviada. 

De acordo com o presidente do conselho de administração da Metro do Porto, os trabalhos estão atrasados devido à geografia e história da cidade. “Desenvolver uma obra desta natureza, uma obra geotécnica, num contexto como a cidade do Porto, como outras cidades, é uma cidade com história, com camadas e camadas de história, que tem questões arqueológicas, que tem questões de cadastros antigos, portanto é sempre muito complexo.”

Tiago Braga já havia anunciado que a obra estaria terminada a 31 de dezembro de 2024. Em declarações ao Porto Canal reiterou que o prazo se mantém inalterado. “Isto é um processo longo, tem diversas dimensões, e nós se queremos mesmo começar a operação comercial no final do primeiro trimestre de 2025, início do segundo trimestre, estamos a falar de março ou abril, portanto é a nossa janela. Isso significa que a 31 de dezembro de 2024 o empreiteiro tem de dizer: está aqui a chave, podem começar os ensaios da pré-operação.”

“Foi esse o compromisso que deixei ao autarca no sentido de deixar à cidade e aos cidadãos, que é um compromisso que publicamente temos vindo sempre a reiterar e a assumir”, afirma o presidente da Metro do Porto.

A resposta acontece depois de o presidente da Câmara do Porto ter enviado uma missiva à empresa, a 10 de novembro, a recusar o arranque da empreitada da Linha Rubi enquanto não terminassem os trabalhos da Linha Rosa.

Rui Moreira e Tiago Braga estiveram, nesta terça-feira, reunidos com o secretário de Estado da mobilidade Urbana, Jorge Delgado. No final do encontro o secretário de Estado garantiu que as relações entre o Governo e a Câmara da Invicta estão “muito boas, sem prejuízo de existirem, às vezes, alguns problemas que têm de ser resolvidos”.

+ notícias: Porto

Centro de apoio a sem-abrigo apela a revisão do plano de contingência do Porto

O Centro de Apoio ao Sem Abrigo (CASA) do Porto apelou esta quinta-feira à alteração do plano de contingência municipal, por considerar “redutor” o critério da temperatura mínima de 3 graus Celsius que determina a sua ativação.

Proposta de criminalização do consumo de droga “não é feliz”, defende membro do grupo municipal de Rui Moreira

Pedro Schuller, membro da Assembleia Municipal eleito pelo “Porto, o Nosso Movimento”, considera que a proposta apresentada por Rui Moreira para a criminalização do consumo de droga [em espaços públicos] não “foi feliz ou adequeada”. O jovem dirigente da Iniciativa Liberal considera que “Portugal é um caso de sucesso, precisamente por tratar a droga como um problema de saúde pública e não como um problema legal”. Sobre a moção, aprovada pelo executivo na semana passada, diz que o objetivo de alertar para a problemática da droga no Porto “foi conseguido” mas que, “com mais cuidado, o objetivo tinha sido cumprido de uma forma mais consequente”.

Camião 'engolido' em aluimento de terras no centro do Porto

Um veículo pesado foi esta quinta-feira engolido na Rua Trindade Coelho, na zona entre a interseção com a Rua das Flores e o Largo dos Loios.