Porto Editora manifesta "profundo pesar" pela morte de Ana Luísa Amaral

Porto Editora manifesta "profundo pesar" pela morte de Ana Luísa Amaral
| Norte
Porto Canal

O Grupo Porto Editora, proprietário da Assírio & Alvim, editora de Ana Luísa Amaral, expressou este sábado o seu "profundo pesar" pela morte da autora, numa publicação nas redes sociais.

Ana Luísa Amaral morreu esta sexta-feira, vítima de doença prolongada, aos 66 anos.

Leia o comunicado na íntegra:

O Grupo Porto Editora manifesta o seu profundo pesar pela morte de Ana Luísa Amaral.

A escritora, tradutora e professora universitária com vasta obra publicada entre poesia, teatro, ficção, ensaio e literatura infantojuvenil faleceu aos 66 anos, vítima de doença prolongada.

A sua obra está publicada em diversos países e mereceu inúmeras distinções e prémios em Portugal e no estrangeiro. Foi também a autora escolhida para ser homenageada na Feira do Livro do Porto, que arranca ainda este mês.

Em maio, a Assírio & Alvim publicou a antologia «O Olhar Diagonal das Coisas», que reúne toda a sua obra poética que se entende por mais de 30 anos.

O velório decorre esta tarde, partir das 17h00, na Capela de Porto Santo, em Leça da Palmeira. O funeral será amanhã, às 11h15, no tanatório de Matosinhos.

À família, amigos e leitores, o Grupo Porto Editora apresenta as suas sentidas condolências.

 

+ notícias: Norte

Populares e ativistas marcaram presença num protesto contra a exploração de lítio na mina do Barroso

Na manhã desta terça-feira, dezenas de populares e ativistas marcaram presença numa manifestação contra a exploração de lítio na mina do Barroso. A arruada simbólica serviu de alerta para os impactos ambientais e para a escassez de água de que a região enfrenta e que a extração mineira pode agravar.

Trabalhadores da maior produtora de cogumelos frescos em greve por melhores salários e condições de trabalho

Os trabalhadores das unidades de produção da maior produtora de cogumelos frescos do país estiveram em greve ao longo desta terça-feira. Ao que apurou o Porto Canal, os trabalhadores exigem um aumento dos salários, do subsídio de alimentação e ainda melhores condições de trabalho.

Uso "desenfreado" de trotinetes aumentou "medo de usar o espaço público" em invisuais

O uso "desenfreado e sem civismo" de trotinetes aumentou o medo de usar o espaço público nas pessoas invisuais, agudizando o sentimento de isolamento de quem não vê, denunciou esta terça-feira a Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal.