Lítio: Mina em Montalegre com exploração mista e fábrica de transformação

| Norte
Porto Canal com Lusa

Montalegre, Vila Real, 14 fev 2022 (Lusa) -- O Estudo de Impacte Ambiental (EIA) da mina de lítio do "Romano", no concelho de Montalegre, prevê uma exploração mista, a céu aberto e subterrânea, bem como a construção de uma fábrica hidrometalúrgica para transformação do minério.

O EIA da mina que a Lusorecursos Portugal Lithium quer explorar em Montalegre, distrito de Vila Real, vai estar em consulta pública durante 30 dias úteis, entre hoje (14 de fevereiro) e 25 de março.

No projeto "Exploração de Depósitos Minerais de Lítio e Minerais Associados -- Romano", consultado hoje pela agência Lusa, está prevista a uma zona de exploração mineira, onde decorrerão as operações de extração do minério bruto e deposição do material estéril, como também a construção de um complexo de anexos mineiros (CAM), onde o minério bruto será transformado, concentrado e convertido em hidróxido de lítio de elevada pureza.

"O facto de o projeto não se limitar apenas à extração do minério rico em lítio, mas também à sua valorização através da transformação no local em hidróxido de lítio, permitirá que o investimento previsto, na ordem dos 650 milhões de euros, se traduza em mais-valias para as populações locais em termos de criação de emprego e desenvolvimento das atividades económica na região", refere o EIA.

Quanto ao método de exploração, o estudo aponta para uma "solução mista", em que a exploração a céu aberto será feita em área que abrange a zona central do antigo couto mineiro do Beça, de cerca de 30 hectares, procedendo-se depois à exploração subterrânea, durante a qual haverá uso de explosivos.

As instalações industriais associadas ao CAM e a exploração mineira subterrânea funcionarão em regime contínuo (24 sobre 24 horas, sete dias por semana), enquanto o processo de extração a céu aberto, assim como o transporte, decorrerá nos dias úteis entre as 07:00 e as 19:00.

Durante a fase de implementação da mina prevê-se a presença de 100 trabalhadores, enquanto na fase de exploração estão previstos 376 trabalhadores diretos distribuídos pelo processo de extração (85), processo industrial (205) e outras atividades (86). O EIA aponta a criação de mais postos de trabalho indiretos.

Quanto aos impactes, o estudo diz que "são principalmente determinados pelas alterações que se introduzem no território com a exploração da mina e construção de todas as infraestruturas associadas, pela circulação de veículos e maquinaria e ainda pelo processo de refinação dos minérios de lítio".

"Para além disso, são ainda determinados pelos benefícios que justifica o projeto, nomeadamente da exploração de um recurso estratégico na atual transição energética e consequente combate às alterações climáticas e aos seus efeitos nocivos, e do investimento na economia e empregabilidade regional e nacional. Os impactes podem assim ser positivos ou negativos e assumem importância diferente nas fases de projeto do empreendimento", aponta.

São elencados impactes negativos a nível das emissões locais de poluentes atmosféricos, no incremento de ruído na zona, nos efeitos indiretos da desflorestação, dos recursos hídricos subterrâneos, na perda de habitats e da perturbação a nível da fauna e da flora, com destaque para o lobo-ibérico, e, em termos de saúde humana, os "potenciais impactes, negativos, derivam do aumento do ruído, vibrações e poluentes atmosféricos".

Para garantir o balanço positivo do projeto encontram-se previstas medidas de minimização, que passam pela implementação de planos de recuperação ambiental e paisagístico, de monitorização (os recursos hídricos superficiais e subterrâneos, ambiente sonoro, vibrações, qualidade do ar, solos, morcegos e lobo-ibérico) e, por fim, de desativação e recuperação ambiental.

Em termos socioeconómicos, as medidas "passam pelo desenvolvimento de uma política e de parcerias com as entidades locais no sentido de maximizar os efeitos positivos do projeto a nível local e regional, nomeadamente ao nível de: emprego, formação profissional e dinamização do tecido empresarial".

Foram estudadas quatro alternativas de projeto que resultam da combinação das soluções da localização do depósito de estéreis e do complexo de anexos mineiros, e o EIA conclui que "o projeto apresenta viabilidade ambiental".

O período de vida útil da exploração mineira previsto é de 13 anos e quanto às instalações industriais prevê-se um período de vida útil mínimo de 20 anos.

O proponente do projeto é a Lusorecursos Portugal Lithium S.A., a entidade responsável pelo licenciamento é a Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) e a entidade de Avaliação de Impacte Ambiental a Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

Os estudos desenvolvidos no âmbito do EIA tiveram início em novembro de 2017 e terminaram em agosto de 2021.

O projeto para a mina de lítio que a empresa Lusorecursos quer explorar em Montalegre tem estado envolto em polémica e foram submetidos quatro EIA, o processo está agora em fase de Avaliação de Impacte Ambiental (AIA). O contrato de concessão foi assinado a 28 de março de 2019.

Em abril do ano passado, o ministro do Ambiente e Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, acusou o "promotor de falta de profissionalismo dadas as insuficiências técnicas do EIA apresentado e, salientou, "inclusivamente, que seria muito improvável a concretização do projeto".

PLI // JAP

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Rui Moreira lembra "Bibota" como "uma pessoa encantadora e um jogador de eleição"

O Presidente da Câmara Municipal do Porto recordou Fernando Gomes, "bibota" de ouro, no dia da morte do melhor marcador da história do FC Porto. Rui Moreira lembrou Fernando Gomes como “uma pessoa encantadora e um jogador de eleição”. 

Liga decreta minuto de silêncio em jogos do fim de semana em homenagem a "Bibota"

A Liga Portuguesa de Futebol Profissional decretou um minuto de silêncio nos jogos deste fim de semana da Taça da Liga, em homenagem ao ex-futebolista Fernando Gomes, que morreu este sábado, aos 66 anos.

Famalicão: 180 mil euros na animação da quadra natalícia

A Câmara de Vila Nova de Famalicão vai investir 180 mil euros na animação da quadra natalícia, sendo a maior fatia (120 mil euros) destinada às iluminações.