Info

Governo admite que "tem de trabalhar mais" para controlar a dívida

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Maputo, 17 nov 2021 (Lusa) -- O ministro da Economia e Finanças de Moçambique admitiu hoje que o Governo ainda "tem de trabalhar mais" para tornar a dívida pública sustentável, apontando a opção pelos créditos concessionais e doações como uma das soluções.

Adriano Maleiane falava na Assembleia da República (AR) durante o debate da Conta Geral do Estado (CGE) de 2020.

No parecer à conta, o Tribunal Administrativo de Moçambique (TA) considera que a sustentabilidade da dívida pública do país continua acima dos limites estabelecidos, colocando restrições na contração de novos encargos.

"Os rácios dos indicadores de sustentabilidade da dívida pública continuam acima dos limites estabelecidos, colocando o país numa situação de restrição na contratação de novos créditos", refere o parecer do TA.

Comentando a posição do tribunal, ecoada pelos deputados da oposição, o ministro da Economia e Finanças disse que o esforço de contenção da dívida tem sido lento, devido a elevadas taxas de juro e à flutuação da taxa de câmbio.

"Sempre que há saltos no serviço da dívida, tem sido nesses dois indicadores", declarou Adriano Maleiane.

O controlo da dívida, prosseguiu, passa por uma maior aposta nos empréstimos concessionais e doações.

"Estamos a trabalhar no sentido de só contrairmos empréstimos concessionais e fazermos os possíveis para termos donativos", frisou.

De acordo com o relatório da CGE de 2020, a dívida pública de Moçambique ultrapassa atualmente 948,7 mil milhões de meticais (13,1 mil milhões de euros).

PMA // JH

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Covid-19: Vacina Pfizer/BioNTech "é eficaz" contra variante Ómicron com três doses

A vacina contra a covid-19 desenvolvida pelas empresas Pfizer e BioNTech "ainda é eficaz" contra a variante Ómicron do vírus com "três doses", mas "provavelmente" insuficiente com apenas duas, garantiu hoje a BioNTech, em comunicado.

Nova variante do coronavírus chama-se Omicron e é de preocupação

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou hoje como "de preocupação" a nova variante B.1.1.529 do coronavírus que causa a covid-19, detetada pela primeira vez na África do Sul, e designou-a pelo nome Omicron.

Covid-19: OMS pede revisão de planos de resposta nacionais face a nova variante

Genebra, 08 dez 2021 (Lusa) - O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde pediu hoje aos governos para reverem as suas estratégias sanitárias de resposta à covid-19 face à nova variante do vírus da doença, a Ómicron, que parece ser mais contagiosa.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.