Covid-19: Pais contra ensino à distância e alertam para mais desigualdades

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 11 jan 2021 (Lusa) - Pais e encarregados de educação estão contra a hipótese do regresso do ensino à distância e avisam que o aumento de novos casos de covid-19 disparou após as férias de Natal, quando as escolas estavam encerradas.

O agravamento da situação epidemiológica em Portugal pode levar a um novo confinamento semelhante ao que aconteceu na primavera, mas as medidas concretas só serão conhecidas na quarta-feira.

O primeiro-ministro afirmou hoje que, entre os peritos, a posição mais consolidada aponta no sentido de manter os estabelecimentos de ensino abertos, sendo também essa a vontade do Governo.

No entanto, nos últimos dias, chegou a ser levantada a hipótese de os alunos mais velhos voltarem ao ensino à distância, deixando pais e encarregados de educação preocupados.

"O ensino à distância não é uma boa solução, porque aumenta ainda mais as desigualdades que já existem entre os alunos mais carenciados", defendeu o presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap) em declarações à Lusa.

Jorge Ascenção lembrou que "as escolas sempre mostraram serem locais seguros, com poucos casos de contágio".

Uma opinião partilhada pelos diretores escolares contactados pela Lusa: "O primeiro período foi relativamente calmo", recordou o presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANADEP), Filinto Lima.

Jorge Ascenção sublinhou ser "leigo na matéria" mas não deixou de "constatar alguns factos": Os casos de contágio não dispararam de forma gritante em setembro, quando começaram as aulas. Pelo contrário, depois das férias do natal e de fim-de-ano, o número de infetados disparou.

"Até agora havia unanimidade em dizer que as escolas eram locais seguros. O que sabemos e temos a certeza é que dentro das escolas os alunos cumprem as regras da Direção-Geral da Saúde. E sabemos também que o perigo de contágio tem a ver com o incumprimento dessas mesmas regras", sublinhou Jorge Ascenção.

"Durante as férias, houve um descuido das regras", concluiu.

Jorge Ascenção lembrou também os estudos que revelaram que o ensino à distância aumenta o fosso entre alunos e agrava a aprendizagem dos alunos, em especial os mais carenciados.

"O eventual encerramento das escolas vai trazer um grave prejuízo principalmente para os mais desprivilegiados", alertou, reconhecendo que esta é uma decisão que terá por base estudos de especialistas.

Caso a opçao seja a suspenção das aulas presenciais, a Confap pede que sejam tidas em conta algumas das sugestões dos pais, tais como serem apenas os mais velhos a ficar em casa e o encerramento "ser temporário".

Em vez da substituição das aulas presenciais pelo ensino à distância, a Confap sugere que se avance para um modelo misto: "Por exemplo, os alunos iriam duas vezes por semana à escola, porque precisam do contacto com os professores mas também com os colegas".

Também os representantes dos diretores escolares sublinharam a importância das aulas presenciais.

"Nada substitui a presença em sala de aula, mas perante a situação que o país atravessa neste momento percebemos que é preciso tomar medidas", disse à Lusa Manuel Pereira, presidente da Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE).

Filinto Lima lembrou ainda que "a escola é um elevador social, mas a pandemia mostrou-nos que com o ensino à distância foi para muitos um elevador que só desceu".

SIM // ZO

Lusa/Fim

+ notícias: País

INEM anuncia reforço de ambulâncias. Técnicos desconfiam

O INEM anunciou, este domingo, um reforço do dispositivo de emergência para esta época de outono/inverno com mais 37 meios com recurso a ambulâncias da Cruz Vermelha e de corporações de bombeiros de diferentes pontos do país. O Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospital afirma que este anúncio é apenas uma "estratégia de marketing do INEM", uma vez que os meios anunciados são os já existentes.

Alto Comissariado para as Migrações procura solução para timorenses despejados por circo em Matosinhos

Nove timorenses acusam o circo Soledad Cardinali, instalado em Matosinhos, de exploração laboral. Os trabalhadores imigrantes foram despejados ao início da tarde deste domingo e aguardam agora uma solução de alojamento.

Matosinhos: Nove trabalhadores imigrantes acusam circo de exploração laboral. Organização nega

Nove trabalhadores naturais de Timor-Leste acusam o circo Soledad Cardinali, instalado em Matosinhos, de não dispor de condições de acolhimento dignas e de não pagar salários. Os funcionários chamaram a Polícia de Segurança Publica (PSP) ao início da tarde deste domingo e apresentaram queixa.