Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Covid-19: Governo do Brasil determina criação de barreiras sanitárias em áreas indígenas

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Brasília, 01 out 2020 (Lusa) - O Governo brasileiro emitiu hoje uma medida provisória para a criação de barreiras sanitárias em áreas indígenas, de forma a evitar o contágio e a disseminação do novo coronavírus na população nativa.

A medida provisória, com força de lei, foi publicada hoje em Diário Oficial da União e assinada pelo chefe de Estado, Jair Bolsonaro, que determinou que as barreiras sanitárias sejam compostas por funcionários públicos ou por militares.

Segundo o texto, fica a cargo da Fundação Nacional do Índio (Funai), órgão tutelado pelo Governo, o planeamento e operacionalização das ações de controlo das barreiras.

"A Funai fica autorizada, de forma excecional e temporária, a efetuar diretamente o pagamento de diárias a funcionários públicos e militares integrantes dos órgãos de segurança pública estaduais e distritais que atuarão na proteção das barreiras sanitárias", indica a medida provisória, frisando que o valor partirá do orçamento do próprio órgão.

Por se tratar de uma medida provisória, esta entra já em vigor, mas depende de aprovação da Câmara dos Deputados e do Senado, que podem fazer alterações na proposta.

Em agosto, o juiz Luís Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF) brasileiro, determinou que o Governo de Bolsonaro elaborasse um plano para proteger as comunidades indígenas face à pandemia de covid-19, que incluía a criação de barreiras sanitárias.

A Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), vinculada ao Ministério da Saúde do Brasil, informou na quarta-feira que 443 indígenas morreram e 28.510 foram infetados pelo novo coronavírus, desde o início da pandemia.

Contudo, segundo a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) - organização que coordena a luta dos povos originários pelos seus direitos -, o número de mortes é superior, com a organização a apontar 667 vítimas mortais entre os povos nativos, segundo dados recolhidos até à última segunda-feira.

A divergência entre os dados do Governo e de entidades indígenas tem sido uma constante desde o início da pandemia, e já foi criticada pela coordenadora da APIB, Sonia Guajajara.

Segundo Guajajara, o problema na contagem está na forma como o executivo avalia se o cidadão é ou não indígena.

Uma das principais preocupações das autoridades é a vulnerabilidade dessas populações face a doenças respiratórias, o que aumenta o risco de agravamento em caso de contágio pelo novo coronavírus.

Face ao aumento de casos, vários povos indígenas começaram a implementar as suas próprias barreiras de proteção, para impedir a entrada de invasores nos seus territórios.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo número de mortos (mais de 4,8 milhões de casos e 143.952 óbitos), depois dos Estados Unidos.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão de mortos e mais de 33,7 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

MYMM // JH

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Militar cercado em Azovstal partilha fotografias do interior dos abrigos. Veja as imagens aqui

Um militar ucraniano do regimento Azov colocou à disposição do público uma seleção de fotografias tiradas no interior da fábrica de aço Azovstal, último reduto da resistência ucraniana na cidade portuária de Mariupol.

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - Soam as guitarras