Covid-19: Governo do Brasil determina criação de barreiras sanitárias em áreas indígenas

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Brasília, 01 out 2020 (Lusa) - O Governo brasileiro emitiu hoje uma medida provisória para a criação de barreiras sanitárias em áreas indígenas, de forma a evitar o contágio e a disseminação do novo coronavírus na população nativa.

A medida provisória, com força de lei, foi publicada hoje em Diário Oficial da União e assinada pelo chefe de Estado, Jair Bolsonaro, que determinou que as barreiras sanitárias sejam compostas por funcionários públicos ou por militares.

Segundo o texto, fica a cargo da Fundação Nacional do Índio (Funai), órgão tutelado pelo Governo, o planeamento e operacionalização das ações de controlo das barreiras.

"A Funai fica autorizada, de forma excecional e temporária, a efetuar diretamente o pagamento de diárias a funcionários públicos e militares integrantes dos órgãos de segurança pública estaduais e distritais que atuarão na proteção das barreiras sanitárias", indica a medida provisória, frisando que o valor partirá do orçamento do próprio órgão.

Por se tratar de uma medida provisória, esta entra já em vigor, mas depende de aprovação da Câmara dos Deputados e do Senado, que podem fazer alterações na proposta.

Em agosto, o juiz Luís Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF) brasileiro, determinou que o Governo de Bolsonaro elaborasse um plano para proteger as comunidades indígenas face à pandemia de covid-19, que incluía a criação de barreiras sanitárias.

A Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), vinculada ao Ministério da Saúde do Brasil, informou na quarta-feira que 443 indígenas morreram e 28.510 foram infetados pelo novo coronavírus, desde o início da pandemia.

Contudo, segundo a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) - organização que coordena a luta dos povos originários pelos seus direitos -, o número de mortes é superior, com a organização a apontar 667 vítimas mortais entre os povos nativos, segundo dados recolhidos até à última segunda-feira.

A divergência entre os dados do Governo e de entidades indígenas tem sido uma constante desde o início da pandemia, e já foi criticada pela coordenadora da APIB, Sonia Guajajara.

Segundo Guajajara, o problema na contagem está na forma como o executivo avalia se o cidadão é ou não indígena.

Uma das principais preocupações das autoridades é a vulnerabilidade dessas populações face a doenças respiratórias, o que aumenta o risco de agravamento em caso de contágio pelo novo coronavírus.

Face ao aumento de casos, vários povos indígenas começaram a implementar as suas próprias barreiras de proteção, para impedir a entrada de invasores nos seus territórios.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo número de mortos (mais de 4,8 milhões de casos e 143.952 óbitos), depois dos Estados Unidos.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão de mortos e mais de 33,7 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

MYMM // JH

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

OMS estima que sismo na Turquia e Síria terá afetado até 23 milhões de pessoas

A Organização Mundial da Saúde (OMS) diz que o sismo que abalou a Turquia e a Síria terá afetado diretamente 23 milhões de pessoas, das quais 1,4 milhões são crianças.

"Uma das maiores catástrofes do mundo". Presidente turco anuncia três meses de estado de emergência

O governo turco declarou, esta terça-feira, estado de emergência por três meses nas 10 províncias afetadas pelos fortes sismos de segunda-feira, que já provocaram pelo menos 3.549 mortos e 22.000 feridos no país.

Sismo. Embaixada portuguesa em Ancara cria grupo WhatsApp para emergências

A Embaixada de Portugal em Ancara criou um grupo no WhatsApp para que os cidadãos portugueses no país possam usar em qualquer emergência e pediu aos que se encontram no país que obedeçam às recomendações da proteção civil.