Covid-19: Governo do Brasil determina criação de barreiras sanitárias em áreas indígenas

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Brasília, 01 out 2020 (Lusa) - O Governo brasileiro emitiu hoje uma medida provisória para a criação de barreiras sanitárias em áreas indígenas, de forma a evitar o contágio e a disseminação do novo coronavírus na população nativa.

A medida provisória, com força de lei, foi publicada hoje em Diário Oficial da União e assinada pelo chefe de Estado, Jair Bolsonaro, que determinou que as barreiras sanitárias sejam compostas por funcionários públicos ou por militares.

Segundo o texto, fica a cargo da Fundação Nacional do Índio (Funai), órgão tutelado pelo Governo, o planeamento e operacionalização das ações de controlo das barreiras.

"A Funai fica autorizada, de forma excecional e temporária, a efetuar diretamente o pagamento de diárias a funcionários públicos e militares integrantes dos órgãos de segurança pública estaduais e distritais que atuarão na proteção das barreiras sanitárias", indica a medida provisória, frisando que o valor partirá do orçamento do próprio órgão.

Por se tratar de uma medida provisória, esta entra já em vigor, mas depende de aprovação da Câmara dos Deputados e do Senado, que podem fazer alterações na proposta.

Em agosto, o juiz Luís Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF) brasileiro, determinou que o Governo de Bolsonaro elaborasse um plano para proteger as comunidades indígenas face à pandemia de covid-19, que incluía a criação de barreiras sanitárias.

A Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), vinculada ao Ministério da Saúde do Brasil, informou na quarta-feira que 443 indígenas morreram e 28.510 foram infetados pelo novo coronavírus, desde o início da pandemia.

Contudo, segundo a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) - organização que coordena a luta dos povos originários pelos seus direitos -, o número de mortes é superior, com a organização a apontar 667 vítimas mortais entre os povos nativos, segundo dados recolhidos até à última segunda-feira.

A divergência entre os dados do Governo e de entidades indígenas tem sido uma constante desde o início da pandemia, e já foi criticada pela coordenadora da APIB, Sonia Guajajara.

Segundo Guajajara, o problema na contagem está na forma como o executivo avalia se o cidadão é ou não indígena.

Uma das principais preocupações das autoridades é a vulnerabilidade dessas populações face a doenças respiratórias, o que aumenta o risco de agravamento em caso de contágio pelo novo coronavírus.

Face ao aumento de casos, vários povos indígenas começaram a implementar as suas próprias barreiras de proteção, para impedir a entrada de invasores nos seus territórios.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo número de mortos (mais de 4,8 milhões de casos e 143.952 óbitos), depois dos Estados Unidos.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão de mortos e mais de 33,7 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

MYMM // JH

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

NASA envia nave para alterar trajeto de asteroide

A NASA, agência espacial norte-americana, vai enviar a sua nave DART numa missão para colidir com um asteróide, no primeiro teste de uma técnica que pode um dia ser necessária para desviar um objeto espacial que ameace colidir com a Terra.

Comissário da Economia insta novo governo italiano a cumprir acordo de Draghi

O comissário europeu de Economia, Paolo Gentiloni, instou esta segunda-feira o futuro Gobierno italiano a respeitar o plano de recuperação acordado entre as autoridades comunitárias e o Executivo de Mario Draghi.

Pelo menos 75 mortos na repressão das manifestações no Irão

Pelo menos 75 pessoas já foram mortas no Irão na repressão das manifestações iniciadas há dez dias pela morte de uma jovem mulher detida pela polícia da moralidade, indicou hoje a ONG anti-regime Iran Human Rights (IHR), sediada em Oslo.