Covid-19: Prevalência quadruplicou em Inglaterra, mas infeções desaceleraram

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Londres, 01 out (Lusa) - A prevalência de covid-19 em Inglaterra quadruplicou num mês e subiu mais alto no norte e em Londres, mas a infeção parece estar a desacelerar, de acordo com um estudo publicado hoje pelo ministério da Saúde britânico.  Realizado pelas universidades Imperial College London e Imperial College, o estudo concluiu que entre 18 e 26 de setembro a prevalência de infeções era de 0,55% tendo em conta que 363 dos 84.610 testes realizados foram positivos, significativamente acima dos 0,125% registados em agosto, quando 136 dos 152,909 testes deram positivo. 

A maioria dos casos foi registada sobretudo no grupo etário entre 18 e 24 anos, no qual uma em cada 100 pessoas estava infetada, mas o número de casos aumentou sete vezes entre os maiores de 65 anos. 

Os níveis mais altos de infeção foram registados no noroeste e nordeste de Inglaterra, onde estão em vigor várias restrições para combater o surto, e o número de infeções aumentou cinco vezes em Londres, região que passou a estar sob vigilância desde a semana passada.

Porém, o índice de transmissibilidade efetivo (Rt) em Inglaterra para o período entre 20 de agosto e 26 de setembro caiu para 1,47 em setembro, abaixo do valor de 1,7 estimado em agosto, e os autores indicam que, se forem usados os dados da semana de 18 a 26 de setembro, o Rt ficaria em 1,1. 

"Embora os nossos últimos resultados mostrem alguns indícios iniciais de que o crescimento de novos casos pode ter diminuído, sugerindo que os esforços para controlar a infeção estão a funcionar, a prevalência da infeção é a mais alta que registámos até agora", sublinhou o epidemiologista Paul Elliott. 

O académico é o responsável no Imperial College pelo estudo encomendado pelo governo e que testa aleatoriamente dezenas de milhar de pessoas mensalmente. 

O estudo foi publicado pouco antes de o ministro da Saúde, Matt Hancock, ter anunciado mais restrições na cidade de Liverpool, bem como em Warrington, Middlesbrough e Hartlepool, igualmente no norte de Inglaterra, para tentar reduzir taxas de infeção com coronavírus.

Hancock disse que em Liverpool foram registados 268 casos por 100 mil habitantes, pelo que decretou a proibição de socialização entre pessoas de agregados familiares diferentes em espaços interiores, embora seja possível fazê-lo ao ar livre.

O ministro fez o anúncio hoje na abertura de um debate no parlamento sobre o impacto do encerramento antecipado de bares e restaurantes para as 22:00 horas em Inglaterra para tentar controlar a pandemia. 

Além desta medida, proibiu ajuntamentos de mais de seis pessoas, recomendou o teletrabalho para quem puder e o uso de máscaras na maioria dos espaços públicos interiores e introduziu multas de entre 1.000 libras (1.102 euros) e 10.000 libras (11.019 euros) para quem não ficar em isolamento se tiver sintomas ou receber um teste positivo.

"Tivemos de tomar decisões difíceis, mas necessárias, para suprimir o vírus. A única alternativa a suprimir o vírus é deixá-lo espalhar-se sem controlo e eu não farei isso. Portanto, embora eu saiba que muitas das regras individuais são difíceis, elas são necessárias e há alguns primeiros sinais de que estão a funcionar", disse aos deputados.

O Reino Unido registou 7.108 novas infeções e mais 71 mortes de covid-19 na quarta-feira, pelo que o total acumulado desde o início da pandemia covid-19 é agora de 42.143 óbitos, o número mais alto na Europa e o quinto no mundo, atrás dos Estados Unidos, Brasil, Índia e México.  

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão de mortos e mais de 34 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

BM // FPA

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

NASA envia nave para alterar trajeto de asteroide

A NASA, agência espacial norte-americana, vai enviar a sua nave DART numa missão para colidir com um asteróide, no primeiro teste de uma técnica que pode um dia ser necessária para desviar um objeto espacial que ameace colidir com a Terra.

Comissário da Economia insta novo governo italiano a cumprir acordo de Draghi

O comissário europeu de Economia, Paolo Gentiloni, instou esta segunda-feira o futuro Gobierno italiano a respeitar o plano de recuperação acordado entre as autoridades comunitárias e o Executivo de Mario Draghi.

Pelo menos 75 mortos na repressão das manifestações no Irão

Pelo menos 75 pessoas já foram mortas no Irão na repressão das manifestações iniciadas há dez dias pela morte de uma jovem mulher detida pela polícia da moralidade, indicou hoje a ONG anti-regime Iran Human Rights (IHR), sediada em Oslo.