Covid-19: Governo turco acusado de ocultar extensão real da epidemia

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Ancara, 01 out 2020 (Lusa) -- O Governo turco está a ser acusado de esconder a verdadeira extensão da epidemia do novo coronavírus, após o ministro da Saúde ter revelado que os números diários divulgados refletem os doentes com sintomas e não todos os infetados.

O ministro Fahrettin Koca reconheceu numa conferência de imprensa na noite de quarta-feira que desde 29 de julho a Turquia tem relatado o número de doentes com covid-19 atendidos nos hospitais ou tratados em casa.

A contagem não inclui os casos positivos assintomáticos, disse, ignorando uma pergunta sobre o número diário de novos casos positivos de coronavírus, indicador-chave sobre a evolução da epidemia em qualquer país.

"Estamos a falar de pessoas com sintomas. Estamos a divulgar isto como o número diário de doentes", disse Koca aos jornalistas.

A revelação gerou protestos nas redes sociais e pedidos ao Governo para que revele a verdadeira extensão do novo coronavírus entre a população de 83 milhões de habitantes.

A admissão do ministro ocorreu depois de um deputado da oposição, Murat Emir, ter afirmado que o número real de novas infeções diárias na Turquia é 19 vezes maior do que o divulgado pelo Governo.

Emir pediu hoje a Koca para deixar de divulgar os dados diários da epidemia. "Ninguém acredita nisso. Não tem valor científico", disse.

"O governo está a lutar contra os números em vez de combater a epidemia", adiantou.

A Associação Médica Turca pediu transparência, depois de ter vindo a questionar os dados diários sobre o coronavírus desde que a 29 de julho o Governo deixou de se referir a "casos" e passou a indicar "doentes".

A organização considerou que o Governo "escondeu a verdade" e "falhou em evitar a propagação" do vírus.

"Temos direito à verdade", escreveu na rede social Twitter Sebnem Korur Fincanci, presidente da associação.

O governo turco divulgou na quarta-feira 65 mortos e 1.391 novos "doentes" com covid-19, assumindo um total de 318.000 infetados, incluindo 8.195 mortos, desde o início da pandemia.

Segundo especialistas, os dados divulgados em todos os países subestimam os números reais da pandemia, devido a testagem limitada, a casos falhados e à falsificação de dados por alguns governos, entre outros fatores.

A pandemia de covid-19, transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro na China, já provocou mais de um milhão de mortos e mais de 33,7 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço da agência France Presse.

 

PAL // FPA

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Ucrânia: Autoridades russas anunciam vitória ampla do "sim" em todos os referendos

As autoridades pró-Rússia nas regiões ucranianas de Zaporijia, Kherson e Lugansk reivindicaram esta terça-feira uma vitória do "sim" à anexação pela Rússia, estando ainda a aguardar-se pelos resultados da quarta região ucraniana ocupada pela Federação Russa.

Autoridades pró-russas anunciam vitória do “sim” à anexação em Zaporijia

As autoridades pró-Moscovo anunciaram, esta terça-feira, que os cidadãos da região ucraniana de Zaporijia, uma das quatro ocupadas pela Rússia, aprovaram a anexação à Federação Russa no referendo organizado pelo Kremlin e que decorreu nos últimos quatro dias.

"Sim" em referendos à anexação à Rússia lidera com 97%. NATO fala em "violação do direito internacional"

 

 

A imprensa russa está a avançar que mais de 97% dos votantes disseram sim à adesão à Rússia, nos referendos que decorreram entre 23 e 27 de setembro nos territórios ucranianos ocupados pelas tropas de Moscovo.