PSD questiona Governo sobre os hospitais da Guarda e de Seia

| Política
Porto Canal com Lusa

Guarda, 17 jul 2020 (Lusa) - O deputado do PSD Carlos Peixoto questionou o Governo sobre o que pensa fazer "para assegurar cabalmente os cuidados de saúde dos utentes" dos hospitais de Seia e Guarda, sem necessidade de transferência para Viseu e Coimbra.

Carlos Peixoto refere, numa pergunta enviada à ministra da Saúde, que os hospitais da Guarda e de Seia "continuam no grau zero das preocupações do Governo, que assiste impavidamente ao seu colapso sem desenhar nenhuma resposta ou estratégia capaz de inverter a sua morte lenta".

"Em algumas das suas especialidades, as duas estruturas não passam de entrepostos ou salas de espera de ambulâncias que transportam os doentes para os hospitais de Viseu e de Coimbra, numa irracionalidade de gestão e de recursos que só em 2019 atingiu um custo superior a três milhões de euros, muito mais que o suficiente para contratar as dezenas de médicos que eram necessários à prestação de cuidados de saúde dignos da população do distrito da Guarda", aponta.

Segundo o PSD, o tempo de espera de consultas "continua a crescer obscenamente, estando já ao nível de países de terceiro mundo, como o demonstram os 803 dias da consulta de oftalmologia em Seia, os 1.113 dias de consulta de ortopedia na Guarda, os 609 dias das consultas prioritárias de cardiologia na Guarda e [os] 1.499 dias das consultas normais dessa especialidade".

No documento, o deputado alerta que "os profissionais de saúde escasseiam" e os concursos e os estímulos para os fixar no interior do país "são uma miragem".

Carlos Peixoto refere ainda que as instalações do Centro de Saúde de Seia "não servem" e o projeto do Pavilhão 5 do Hospital da Guarda "arrasta-se penosamente de promessa em promessa, de ilusão em ilusão e de campanha em campanha eleitoral, atingindo o seu exponente máximo em setembro de 2019, com o primeiro-ministro a aproveitar um seu comício na Guarda para garantir o arranque das obras que estão hoje tão paradas e distantes como nessa altura".

Aponta também que a Comissão Covid do Hospital da Guarda demitiu-se em bloco e a administração da Unidade Local de Saúde (ULS) "está em gestão corrente desde dezembro de 2019".

Depois de referir que a saúde na Guarda "caminha sem rei nem roque", Carlos Peixoto questiona a ministra da Saúde sobre "o que pensa em concreto fazer o Governo para assegurar cabalmente os cuidados de saúde dos utentes do distrito da Guarda nos hospitais de Seia e da Guarda, sem que tenha necessidade de recorrer permanentemente à sua transferência para Viseu e Coimbra".

"Em que fase ou estado se encontra a proclamada intenção do Governo arrancar com a obra do denominado pavilhão 5 do Hospital da Guarda" e "quando estará o Governo em condições de nomear a nova administração da ULS", são outras das perguntas.

A comissão política distrital do PSD, presidida por Carlos Condesso, diz em comunicado que "o Governo do PS abandonou a região e as pessoas naquilo que elas mais necessitam: cuidados de saúde".

Segundo a estrutura partidária, as respostas às questões colocadas ao Governo "têm de ser dadas com urgência, porque a saúde no distrito da Guarda não pode continuar neste estado de agonia, prejudicando todos os cidadãos".

 

ASR // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Quem é Elisabete Sousa, a “candidata-surpresa” que promete baralhar as eleições?

Na Via Norte, na Maia, foi colocado um cartaz com o slogan “Elisabete Sousa ‘24. Por um Portugal onde o ordenado mínimo são €5.000!”. Apesar de não ser feito um apelo direto ao voto, milhares de automobilistas que por ali passam terão já assumido estar perante uma candidatura às eleições legislativas de 10 de março. Mas Elisabete Sousa não vai figurar nos boletins de voto onde os portugueses vão escolher os seus representantes na Assembleia da República, não fosse ela na realidade uma personagem criada por uma conta paródia na rede social X. Os outdoors foram colocados na Avenida AEP e outros locais do Porto, bem como em Lisboa.

MP pede condenação de Ana Gomes por acusar Mário Ferreira de narcotráfico

O Ministério Publico pediu esta terça-feira a condenação da ex-eurodeputada Ana Gomes por difamação, dando como provado que a ex-diplomata acusou Mário Ferreira de estar ligado ao narcotráfico numa publicação numa rede social.

Paulo Raimundo diz que problemas da função pública não serão resolvidos por PS nem Direita

O secretário-geral do PCP denunciou esta terça-feira, em Palmela, a "falta de reconhecimento" dos trabalhadores da administração pública e considerou que a solução para os problemas destes profissionais não passa pelo PS ou pela direita