Meio milhar em Lisboa a pedir a primeiro-ministro que suspenda encerramento dos ENVC

| Norte
Porto Canal / Agências

Viana do Castelo, 17 dez (Lusa) - Cerca de 500 pessoas de Viana do Castelo, na sua maioria trabalhadores dos estaleiros navais, rumam a Lisboa, na quarta-feira, para um protesto junto à residência oficial do primeiro-ministro, reclamando a suspensão do encerramento da empresa.

Segundo informações avançadas hoje à agência Lusa pelo porta-voz da comissão de trabalhadores, o protesto está agendado para as 15:30, junto ao Palácio de São Bento, e o transporte dos manifestantes para Lisboa será feito em dez autocarros, cedidos pela Câmara de Viana do Castelo.

Na partida junto aos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC), pelas 07:45, são esperadas cerca de 500 pessoas, nomeadamente 430 trabalhadores e os restantes antigos funcionários da empresa, indicou ainda António Costa.

O protesto junto à residência oficial do primeiro-ministro envolve um desfile dos trabalhadores em Lisboa e conta com o apoio da CGTP.

Desde junho de 2011 será o oitavo protesto de rua dos trabalhadores dos ENVC, o terceiro realizado em Lisboa.

Esta nova "ação de luta", explicam os trabalhadores, pretende reclamar a suspensão do processo de subconcessão - acompanhado do encerramento da empresa -, e a avocação do dossiê por Pedro Passos Coelho.

"Como é que o senhor primeiro-ministro está preocupado com o desemprego, quando tem alguém na sua equipa [ministro da Defesa] que só quer fazer um despedimento coletivo? Nós não queremos indemnizações, queremos trabalho", afirma o porta-voz da comissão de trabalhadores dos ENVC.

"Queremos trabalho, não queremos desemprego. Vamos dizer isso ao senhor primeiro-ministro", insiste António Costa, lançando, uma vez mais, o apelo a Passos Coelho: "O senhor primeiro-ministro tem uma solução: tirar o processo das mãos do ministro da Defesa, que não está bem. Está muito intranquilo e com falta de transparência neste processo".

Os trabalhadores reclamam a reestruturação da empresa e um investimento na sua modernização, bem como o arranque da construção de dois asfalteiros para a Venezuela, uma encomenda de 128 milhões de euros feita em 2010.

O autarca socialista de Viana do Castelo já justificou o apoio logístico do município a esta manifestação, garantindo o transporte, por considerar tratar-se de uma ação "legítima e justa" dos trabalhadores.

"Esta luta é pela dignidade e pelo direito ao trabalho daqueles que ao longo dos últimos 69 anos ajudaram a construir uma empresa de referência da construção naval nacional", disse à agência Lusa José Maria Costa.

O grupo Martifer anunciou que vai assumir em janeiro a subconcessão dos terrenos, infraestruturas e equipamentos dos ENVC, pagando ao Estado uma renda anual de 415 mil euros, até 2031, conforme concurso público internacional que venceu.

A nova empresa West Sea deverá recrutar 400 dos atuais 609 trabalhadores, que estão a ser convidados a aderir a um plano de rescisões amigáveis, que vai custar 30,1 milhões de euros.

PYJ // JGJ

Lusa/fim

+ notícias: Norte

Póvoa de Varzim: Autarcas recebem envelopes com bala e ameaças de morte 

O presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, Aires Pereira, e o seu vice-presidente, Luís Batista, receberam esta terça-feira um envelope com duas balas no interior, revelou a autarquia em comunicado. Em causa está o início da demolição da desativada Praça de Touros da cidade.

The Times destaca Matosinhos, "um segredo na costa Norte de Portugal"

Vista como “o local secreto da costa do norte de Portugal”, a cidade de Matosinhos foi destacada na célebre revista “The Times”, que refere a grande indústria piscatória que a cidade acolhe e a imensa quantidade e qualidade de restaurantes que oferece.

Disponibilizados 5 ME para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática disse terça-feira que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros (ME) para ações de emergência na área ardida da serra da Estrela.