Info

Quatro alunos da Universidade do Minho acusados por morte de colegas ao provocarem queda de muro

Quatro alunos da Universidade do Minho acusados por morte de colegas ao provocarem queda de muro
| Norte
Porto Canal com Lusa

O Ministério Público (MP) acusou de homicídio por negligência os quatro estudantes da Universidade do Minho que em abril de 2014 saltaram em cima de um muro que desabou, matando três colegas, anunciou a hoje Procuradoria-Geral Distrital (PGD) do Porto.

Em nota divulgada no seu sítio da Internet, a PGD explica, citando uma acusação do MP junto da Comarca de Braga, que no dia 23 de abril de 2014, num contexto de uma "guerra de cursos", entre alunos de Engenharia Informática e Medicina da academia minhota, "os quatro arguidos treparam a uma estrutura composta por alvenaria de tijolo e betão, com cerca de um metro e meio de altura e quatro metros de comprimento, destinada a albergar recetáculos de correio" onde permaneceram a "cantar e a saltar".

Segundo o MP, os quatro estudantes "deram causa a que a estrutura rodasse sobre a sua base e caísse para a frente, colhendo quatro outros alunos de engenharia informática, cujos corpos ficaram sob a mesma", sendo que "três dos quais viriam a morrer na sequência dos ferimentos sofridos".

Por isso, adianta a referida nota, "o Ministério Público na Comarca de Braga deduziu acusação contra quatro arguidos, imputando a cada um deles a prática de um crime de homicídio por negligência".

O acidente levou a que a fosse declarado luto pela Associação Académica da Universidade do Minho e ao cancelamento das Monumentais Festas do Enterro da Gata de maio desse ano, nome pelo qual é conhecida a queima das fitas da academia minhota.

 

Imagem: RUM

+ notícias: Norte

GNR desmantela rede de contrafação no Norte e apreende 1,4 milhões de euros em artigos

A Unidade de Ação Fiscal da GNR anunciou este sábado que desmantelou uma rede de fabrico e venda de artigos contrafeitos, apreendendo material no valor estimado de 1,4 milhões de euros em Matosinhos e Famalicão.

Alunos de Vinhais fecham escola por causa do frio

Os alunos da escola secundária de Vinhais queixam-se do frio nas salas de aulas. Não se fazem obras no centro escolar há mais de 30 anos e os 300 alunos protestam contra a falta de condições.

População de Covas do Barroso está contra o projeto da mina de lítio

A população de Covas do Barroso e a autarquia de Boticas estão contra o projeto de uma mina de lítio a céu aberto em território classificado como Património Agrícola Mundial. A empresa responsável fala num investimento de 500 milhões de euros.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS