Info

Testemunhas afirmam que muro que matou três alunos da UMinho "parecia estável"

Testemunhas afirmam que muro que matou três alunos da UMinho "parecia estável"
| Norte
Porto Canal com Lusa

Os alunos da Universidade do Minho que assistiram à queda de um muro que em 2014 matou três colegas afirmaram hoje, no Tribunal de Braga, que a estrutura "parecia estável" e "não aparentava qualquer tipo de risco".

O processo tem como arguidos quatro alunos daquela universidade, acusados de homicídio por negligência, por terem ido para cima do muro festejar a vitória numa "guerra de cursos".

O muro caiu e matou três estudantes que estavam em baixo. Segundo o despacho instrutório, a pressão exercida pelos quatro alunos foi a "causa direta" do colapso do muro.

Hoje, durante o julgamento, outros estudantes que participaram naquela "guerra de cursos" testemunharam que o muro "parecia estável e normal" e que nunca lhes "passou pela cabeça" que pudesse cair.

Um deles disse mesmo que já chegou a estar sentado encostado ao muro.

As testemunhas disseram ainda que aquele era "um sítio normal de praxe" e que chegaram a ver muitas vezes outras pessoas em cima do muro.

Garantiram que, no local, não havia qualquer sinalização a alertar para eventuais perigos de queda do muro.

O muro era uma estrutura que durante anos servira para acolher as caixas de correio de um prédio ali existente.

Inicialmente, o Ministério Público tinha também acusado um fiscal e um engenheiro da Câmara de Braga e o responsável de uma empresa de condomínios, mas a juíza de instrução decidiu não os levar a julgamento.

Na altura, a juíza admitiu que, de alguma forma, os três beneficiaram do desaparecimento, na Câmara de Braga, do processo físico relativo àquele local.

Ficou, assim, por saber qual foi o teor completo da troca de correspondência entre a Câmara e o administrador do condomínio sobre a alegada falta de segurança do muro e que diligências foram feitas de parte a parte.

Para o advogado das famílias das vítimas, João Noronha de Carvalho, aquele processo seria "esclarecedor" em relação ao que se passou.

"Vamos acionar civilmente a câmara e o condomínio", acrescentou.

O caso remonta a 23 de abril de 2014, em Braga, quando, num contexto de "guerra de cursos", quatro alunos treparam a uma estrutura composta por alvenaria de tijolo e betão, com cerca de um metro e meio de altura e quatro metros de comprimento.

Segundo a acusação, aqueles quatro alunos permaneceram em cima do muro a "cantar e a saltar".

As testemunhas hoje ouvidas não confirmaram os saltos, dizendo apenas que viram os colegas a cantar e a bater palmas.

Estes testemunhos vão de encontro aos depoimentos dos arguidos, que alegaram ainda que o muro ruiu "em poucos segundos".

+ notícias: Norte

GNR desmantela rede de contrafação no Norte e apreende 1,4 milhões de euros em artigos

A Unidade de Ação Fiscal da GNR anunciou este sábado que desmantelou uma rede de fabrico e venda de artigos contrafeitos, apreendendo material no valor estimado de 1,4 milhões de euros em Matosinhos e Famalicão.

Alunos de Vinhais fecham escola por causa do frio

Os alunos da escola secundária de Vinhais queixam-se do frio nas salas de aulas. Não se fazem obras no centro escolar há mais de 30 anos e os 300 alunos protestam contra a falta de condições.

População de Covas do Barroso está contra o projeto da mina de lítio

A população de Covas do Barroso e a autarquia de Boticas estão contra o projeto de uma mina de lítio a céu aberto em território classificado como Património Agrícola Mundial. A empresa responsável fala num investimento de 500 milhões de euros.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS