Info

Leiloeira do Porto disponibiliza-se para comercializar obras de Miró

Leiloeira do Porto disponibiliza-se para comercializar obras de Miró
| Norte
Porto Canal

A galeria de arte e leiloeira P55 mostrou-se hoje disponível para comercializar as obras de Miró na posse do Estado desde a nacionalização do BPN, considerando que deve ser uma empresa portuguesa a fazê-lo para benefício da economia.

"Nós temos clientes que estão interessados na compra destas peças, achamos, antes de mais, que estas peças - a serem comercializadas - devem ser comercializadas por uma empresa portuguesa que ajude a economia nacional e, mais do que isso, achamos que são peças que deveremos sempre tentar que fiquem em nome de portugueses, que os compradores sejam portugueses e que possam um dia ser expostas aos portugueses", afirmou à Lusa o presidente executivo da P55, Aníbal Pinto de Faria.

O responsável da leiloeira do Porto reconhece ter tido conhecimento do negócio das 85 peças, que iria ter lugar na londrina Christie's, na terça-feira e hoje, através da comunicação social, e admite ainda não ter tido qualquer contacto com uma instituição pública acerca da transação.

Aníbal Pinto de Faria afirmou, no entanto, que a P55 está também interessada na aquisição de algumas das obras "no sentido, obviamente, de comercializar essas peças", estando ainda a analisar quais as que representariam uma maior oportunidade.

Já hoje, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmou que o Governo pretende vender "a curto prazo" as obras de Miró provenientes do Banco Português de Negócios (BPN) e responsabilizou a leiloeira Christie's pela gestão deste processo, incluindo a saída dos quadros de Portugal.

As afirmações de Passos Coelho vão ao encontro do comunicado da Parvalorem, a empresa estatal constituída para a recuperação de créditos do antigo Banco Português de Negócios, após a sua nacionalização, que, em comunicado, esclareceu que "o modelo de contrato escolhido responsabiliza a Leiloeira por todas as operações até à realização do Leilão".

A Parvalorem cita o contrato que tem com a leiloeira, em que se lê, "'designadamente requerer e obter todas as licenças e autorizações necessárias para dar exequibilidade zeloza e cabal a todos os serviços contratados, nomeadamente, no que diz respeito à exportação para venda, embalagem, recolha, transporte, depósito, exposição, leilão, venda e entrega das obras de arte ao respectivo comprador', não suportando estas Sociedades qualquer encargo".

Na terça-feira, a Christie's cancelou a venda dos 85 quadros de Joan Miró, tendo afirmado em comunicado que a decisão resulta "da disputa nos tribunais portugueses", na qual "não é parte interessada".

"Apesar de a providência cautelar não ter sido aprovada, as incertezas jurídicas criadas por esta disputa em curso significam que não podemos oferecer as obras para venda de forma segura", lê-se no comunicado.

Antes, o Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa tinha rejeitado a providência cautelar apresentada pelo Ministério Público para suspender a venda das obras de Joan Miró marcada para terça-feira.

No comunicado, "a Parvalorem e a Parups não excluem a possibilidade de se encontrar ainda uma solução conjunta para a situação criada pela decisão da Christie's, desde que, naturalmente, salvaguarde os interesses que lhes cumpre acautelar, incluindo os do Estado Português, seu accionista".

+ notícias: Norte

Estudante encontrado em pijama na linha de comboio em Aveiro com lesão num pé

Um universitário de 21 anos foi encontrado hoje em pijama caído junto à linha de comboios da CP, em Aveiro, com uma lesão “gravíssima” num pé, em circunstâncias que estão ainda por esclarecer, informou fonte dos Bombeiros.

Despiste de camião condiciona trânsito na VCI

Um despiste de um veículo pesado de mercadorias está a condicionar o trânsito na VCI, na saída para a Arrábida, no sentido Freixo-Arrábida, apurou esta terça-feira o Porto Canal com fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) do Porto.

Atualizado 21-05-2019 16:32

Regulador da Saúde abre inquérito a contentores pediátricos do Hospital de São João

A Entidade Reguladora da Saúde (ERS) revelou esta terça-feira à Lusa que tem em curso "um processo de inquérito" aos contentores de internamento pediátrico do Hospital de São João (HSJ), no Porto.

Atualizado 22-05-2019 11:08

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS