Info

Ministro das Infraestruturas lamenta "greve repetida" na CP mas Governo não vai ceder

Ministro das Infraestruturas lamenta "greve repetida" na CP mas Governo não vai ceder
| Política
Porto Canal com Lusa

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, lamentou esta segunda-feira "os impactos" de uma "greve repetida" na CP (Comboios de Portugal) mas apontou que o Governo não vai ceder às reivindicações dos trabalhadores.

"A greve é um direito completamente legítimo dos trabalhadores, contudo o que está aqui em causa é a alteração de um regulamento que o Governo não alterou e não está a pensar alterar", disse Pedro Marques.

O governante, que falava à margem de uma visita às obras de requalificação da estação General Torres, concelho de Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, apontou que o "regulamento português é semelhante em toda a Europa, excetuando um país de leste", estando em curso "há décadas".

Em causa está um protesto dos ferroviários que criticam a circulação de comboios com um só agente.

A CP já alertou que a greve marcada para esta terça e quarta-feira vai afetar a circulação de comboios e suprimir algumas ligações.

Pedro Marques disse que acatar as reivindicações poderia significar "o pagamento de milhões e milhões de euros de indemnizações às concessionárias que têm a concessão de alguns troços de rede" e disse que a CP, "apesar das regras regulamentares funciona com dois agentes".

"Este tipo de greve repetida penaliza muito as populações. Apenas posso lamentar os impactos da greve nas populações, mas é um direito legítimo dos sindicatos fazerem greve", concluiu o ministro que rumou de seguida a Espinho, distrito de Aveiro, onde esta manhã faz o lançamento da empreitada de modernização do troço Espinho/Gaia, investimento integrado na obra de requalificação da Linha do Norte.

+ notícias: Política

Tancos: Presidente da República garante desconhecer factos sobre reaparecimento das armas

O Presidente da República garantiu este sábado à Agência Lusa desconhecer os factos na base do desaparecimento e reaparecimento das armas de Tancos, recordando que tem insistido na exigência do esclarecimento de "toda a verdade, doa a quem doer".

Mário Centeno diz que eleitoralismo do PS foi cumprir todas as metas

O ministro das Finanças, Mário Centeno, considerou esta sexta-feira que o eleitoralismo do PS na proposta de Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) foi cumprir todas as metas e promessas, que se traduzem na estabilização do sistema financeiro português.

Tenente-general José Nunes da Fonseca novo chefe do Estado-Maior do Exército

O tenente-general José Nunes da Fonseca será o novo chefe do Estado-Maior do Exército, tendo o seu nome recebido parecer favorável por unanimidade do Conselho Superior do Exército, anunciou hoje o primeiro-ministro, António Costa, em Bruxelas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.