Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Costa rejeita que redução da TSU para salários mínimos viole acordos de Governo

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 22 dez (Lusa) - O primeiro-ministro negou hoje que o Governo esteja a violar os acordos políticos entre as forças da esquerda parlamentar ao propor uma redução da Taxa Social Única (TSU) em um ponto percentual para os salários mínimos.

António Costa falava aos jornalistas no final do debate quinzenal na Assembleia da República, depois de confrontado com as críticas feitas pelo Bloco de Esquerda, PCP e "Os Verdes" à proposta apresentada pelo Governo de compensar o patronato com uma redução da TSU em um ponto percentual como compensação pela fixação do salário mínimo em 557 euros em 2017.

No debate, "Os Verdes" consideraram mesmo que essa proposta apresentada pelo Governo em concertação social, prevendo uma descida da TSU (Taxa Social Única) a aplicar ao conjunto dos salários mínimos atualizados, estará em violação com o teor das declarações conjuntas assinadas entre PS, Bloco de Esquerda, PCP e PEV para a formação do atual executivo.

O primeiro-ministro rejeitou, respondendo: "Não é assim, porque está no programa do Governo que iriamos propor à concertação social, anualmente, uma trajetória de convergência para o salário mínimo".

"É isso que estamos a fazer", sustentou.

Em relação ao tema da atualização do salário mínimo em 2017, que está em discussão na concertação social, o primeiro-ministro recusou-se a pronunciar-se sobre o curso das negociações com os diferentes parceiros sociais.

"A nossa proposta é conhecida, foi apresentada e agora aguardamos o decurso da reunião da concertação social. Com negociações em curso, não vou estar neste momento a pronunciar-me. Mas um acordo de médio prazo seria positivo para o país. O meu desejo é que as coisas corram bem", acrescentou António Costa.

PMF // SMA

Lusa/fim

+ notícias: Política

Bloco de Esquerda rejeita caminho "para o abismo" e propõe saída do euro

A coordenadora do Bloco de Esquerda defendeu este domingo a urgência de preparar o país para a saída do euro, rejeitando que Portugal fique "no pelotão da frente" de uma Europa que "caminha para o abismo".

Jerónimo de Sousa quer reformas por inteiro para trabalhadores com 40 anos de descontos

Jerónimo de Sousa defendeu este domingo que os "trabalhadores com 40 anos de descontos deviam ter direito à reforma sem penalizações" e considerou insuficientes as alterações propostas pelo PS, durante um almoço comemorativo dos 96 anos do PCP, no Seixal.

Congresso da UGT aprova 16 moções, uma das quais admite greve geral da função pública

O XIII Congresso da UGT aprovou este domingo 16 moções, entre as quais uma da Federação de Sindicatos da Administração Pública com um ultimato ao Governo para negociações imediatas na função pública e que admite uma greve geral do setor.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

Imperdíveis

Casa Ermelinda Freitas em Águas...

Nota Alta

"Eu ainda não senti a...