Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Privados ganham milhões com os incêndios. Domingos Névoa fica com 48,127 milhões de euros

Privados ganham milhões com os incêndios. Domingos Névoa fica com 48,127 milhões de euros
| País
Porto Canal (AYQ)

Os incêndios já deram a lucrar aos privados cerca de 48 milhões de euros. O balanço dos últimos dez anos de prevenção é negativo e os meios aéreos não utilizados no combate às chamas dos últimos dias geram controvérsia e polémica. 

A informação foi avançada pelo Secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, que afirmou que “A indústria do fogo dá dinheiro a muita gente”.

De acordo com o portal Base do Governo, a Everjets, empresa de Domingos Névoa, apresentou um valor de negócio que ascendeu os 48,127 milhões de euros para operar e manter os helicópteros pesados ao serviço da Autoridade Nacional da Proteção Civil durante quatro anos, avança o jornal Correio da Manhã. Depois de adjudicado, o negócio chegou a ser alvo de investigação por parte do Departamento Central de Investigação e Ação Penal e da Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ.

Fora deste valor está uma situação ocorrida em abril deste ano, quando deveriam estar disponíveis seis helicópteros pesados para combater fogos, no entanto, um terá caído e outros dois terão estado avariados. Jorge Gomes afirmou, na altura, que o assunto “já foi discutido em sede de Orçamento de Estado na Assembleia da República”. Estes helicópteros "só deverão voltar a operar em 2017".

Face a toda esta conjuntura, relembre-se a situação dos incêndios na Madeira na semana passada, cujo Plano Estratégico para o Dispositivo de Socorro da Madeira não incluía a utilização de meios aéreos. De acordo com o especialista que comandou o Plano, Luciano Lourenço, Diretor do Núcleo de Investigação Científica de Incêndios Florestais da Universidade de Coimbra, o investimento necessário era "demasiado elevado para as consequências positivas que poderia ter no combate aos incêndios".

A Força Aérea Portuguesa respondeu também à polémica, afirmando não ter meios para ajudar a combater os incêndios, não excluindo a possibilidade de os "poder ter num futuro próximo". A mesma entidade relembra ainda que "há 20 anos foi pensado um sistema capaz de adaptar algumas aeronaves para poderem combater incêndios, mas que o plano foi descontinuado". Nos incêndios dos últimos dias, importa lembrar que os meios aéreos utilizados não eram portugueses, vinham de ajudas europeias.

Ricardo Ribeiro, académico, dirigente associativo e comandante de bombeiros, fez um balanço dos últimos dez anos de combate a incêndios e classificou-o como negativo. Em declarações à agência Lusa, o dirigente defendeu que as boas práticas da população devem ser matéria do sistema de ensino e que devem existir campanhas publicitárias. Afirmou que os bombeiros deveriam ter também mais formação, que deveria ser criado um sistema de incentivos públicos para o ordenamento do território e para limpeza do biocombustível e que deveriam ser implementados meios permanentes de combate a fogos a partir de março. Defendeu ainda que deveriam ser criadas medidas sociais para pessoas até aos 50 anos, para combater a desertificação, criados incentivos fiscais para fixação de jovens no campo ou apostar na videovigilância. O responsável defende também a criação de equipas de intervenção que atuem no fim do inverno, a criação de medidas de intervenção e prevenção, e que os terrenos junto de estradas e casas sejam efetivamente limpos.

"Nesta problemática, há a prevenção, a resposta [ao fogo] e a reposição da normalidade. Mas, em Portugal, incide-se especialmente na resposta, esquecendo-se a prevenção e a reposição da floresta", disse Ricardo Ribeiro à Lusa, acrescentando: "Portugal foi o país europeu que menos reflorestou nos últimos 20 anos".

Em média, a cada ano, ardem 150 mil hectares de floresta e em 2013 ardeu quase meio milhão de hectares. Entre 2002 e 2013 morreram, devido aos incêndios, 97 pessoas, 51 delas bombeiros.
Os incêndios, como os dos últimos dias, provocam um prejuízo médio anual "superior a duas centenas de milhões de euros", mais outros 200 milhões em prejuízos ambientais e materiais, disse o responsável.

Uns ganham milhões, outros passam fome

Os privados lucram milhões com a “indústria dos incêndios”, no entanto, há quem os combata e, muitas vezes, não tenha as condições básicas para o fazer. Os Bombeiros de São Pedro do Sul viveram, durante a noite e manhã de deste domingo, sem apoio logístico, chegando mesmo a bater à porta de casa dos populares a pedir bolachas. José Manuel Moura, comandante da Autoridade Nacional da Proteção Civil, classificou a situação como uma “falha inacreditável” e disse que ia investigar o sucedido.

+ notícias: País

Portugal com 23 casos confirmados de infeção pelo vírus 'monkeypox'

Mais nove casos de infeção pelo vírus 'monkeypox' foram confirmados em Portugal, totalizando 23, anunciou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS), que aguarda resultados relativamente a outras amostras.

Serviços mínimos não estão garantidos e há ambulâncias do INEM paradas

Mais de uma dezena de ambulâncias do INEM estão paradas devido à greve da Função Pública, segundo o Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar, que revelou que o instituto não nomeou os elementos para garantir serviços mínimos, tarefa que o INEM diz não ser necessária.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.