"Este Governo fez em três semanas o que o anterior não fez em três anos" - Centeno

"Este Governo fez em três semanas o que o anterior não fez em três anos" - Centeno
| Política
Porto Canal

O ministro das Finanças, Mário Centeno, realçou hoje que o executivo socialista teve apenas três semanas para tratar da situação do Banif, criticando que o governo de Passos Coelho tenha deixado passar três anos sem resolver o problema.

"Este Governo fez em três semanas o que o governo anterior não fez em três anos", lançou o governante durante a sua audição na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, no parlamento.

Centeno disse que havia grande "urgência" em resolver a situação do Banif, que sofria cada vez maior "pressão sobre os rácios de capital".

O ministro vincou que "desde finais de 2012 que a Comissão Europeia mostrava dúvidas sobre a viabilidade do Banif".

E destacou: "O Banif ia numa rota de liquidação. Desde logo, com prejuízos assinaláveis para o emprego dos seus trabalhadores, para os contribuintes e para as economias dos Açores e da Madeira".

Mário Centeno falava aos deputados durante a sua audição na Comissão de Orçamento, devido ao Orçamento Retificativo apresentado pelo Governo para acomodar os custos relacionados com a medida de resolução aplicada ao Banif no último fim de semana.

+ notícias: Política

Do programa de emergência social, à saúde e à redução de impostos: as sete prioridades de Luís Montenegro para o país

No discurso de encerramento do congresso do PSD, o novo líder Luís Montenegro elencou sete temas que serão prioritários para o seu tempo à frente do partido, sendo que a maioria já constava da moção estratégica que fez aprovar pelos delegados: do plano de emergência social ao combate “ao caos” na saúde e da redução da carga fiscal ao referendo à regionalização.

Montenegro rejeita referendo à regionalização. “Não é adequado” e defende que descentralização "é um logro"

Luís Montenegro referiu no seu discurso de encerramento do 40º Congresso do PSD que “o processo de descentralização é um logro, e a responsabilidade é exclusivamente do Governo”. Quanto ao eventual referendo sobre a regionalização que o Governo prometeu para 2024, o líder social-democrata considera que "não é adequado". 

Luís Montenegro promete mandato de lealdade e cooperação com Marcelo

O presidente do PSD, Luís Montenegro, prometeu hoje um mandato de lealdade, colaboração institucional e cooperação com o Presidente da República, endereçando uma palavra de "estima e estímulo" ao presidente do CDS-PP, Nuno Melo, presente no encerramento do congresso.