Passos Coelho diz que é tempo de deixar António Costa governar

Passos Coelho diz que é tempo de deixar António Costa governar
| Política
Porto Canal

O presidente do PSD defendeu hoje que "é altura de deixar governar aqueles que quiseram assumir essas responsabilidades", transmitindo que não deixará de colocar Portugal e os portugueses à frente nas suas decisões enquanto líder da oposição.

"Agora que há também um novo Governo é altura de deixar governar aqueles que quiseram assumir essa responsabilidade, dando-lhes tempo para que afirmem as suas políticas e contribuam para resolver os problemas mais relevantes que sempre surgem no caminho", declarou Pedro Passos Coelho num mensagem de Natal divulgada em vídeo.

O líder social-democrata transmite, nessa mensagem, que não deixará, "como no passado, de colocar Portugal e os portugueses à frente em todas as escolhas que vier a fazer como líder do maior partido da oposição, procurando contribuir, nesta nova fase, com uma atitude igualmente responsável e construtiva que vá ao encontro das necessidades dos portugueses".

Numa primeira parte da mensagem, dedicada ao balanço do ano, Passos Coelho afirma que "para muitos, a previsibilidade e a confiança destes últimos anos foram abaladas pelos acontecimentos mais inesperados que se seguiram às eleições", com "a abertura de uma crise política que desembocou no derrube do governo anterior e com a emergência de uma nova maioria que suporta um governo diferente, que é agora liderado pelo PS".

Numa referência à sua governação, Passos Coelho afirma que o ano que está prestes a terminar confirmou a capacidade para "crescer e criar emprego", mostrando que "os enormes esforços" realizados ao longo dos últimos anos "não foram em vão" e que é possível encarar hoje "com mais autonomia escolhas económicas mais ambiciosas ainda".

"Por outro lado, fizemos o essencial das nossas escolhas coletivas seguindo um princípio de prudência e encarando as sucessivas mudanças necessárias com um espírito de gradualismo mas também de confiança, sem por em causa os resultados já alcançados com tanto esforço", disse.

Sobre o futuro, diz que, tal como o presente, "nunca é feito apenas de facilidades para ninguém" e que cada um e todos em conjunto são chamados a resolver problemas e situações que testam a sua determinação, resiliência e capacidade.

"Se queremos viver melhor e com mais justiça sempre teremos de nos empenhar e muitas vezes de nos procurar superar a todos os níveis. Continuo hoje a acreditar nas capacidades dos portugueses e na superação das nossas maiores dificuldades coletivas", afirmou.

Segundo Passos Coelho, o país e os portugueses fizeram "um caminho longo com resultados reconhecidos em todo o mundo", mas ainda longe do destino que se pretende alcançar, "com mais paz, justiça e oportunidades para todos".

"Neste Natal, envio uma mensagem de conforto humano e coragem a todos os que sabem ser ainda de provação grande a vida que enfrentam, mas quero também enviar uma mensagem de muita esperança e confiança no futuro porque sei do que os portugueses são capazes", expressou.

+ notícias: Política

Frente Cívica quer acesso a pareceres pedidos por ministra da Coesão Territorial

A associação Frente Cívica pediu esta terça-feira acesso aos pareceres que a ministra da Coesão Territorial solicitou para avaliar um eventual conflito de interesses por empresas dirigidas pelo marido terem recebido fundos comunitários, área tutelada por Ana Abrunhosa.

Manuel Pizarro dá início à dissolução da empresa da qual é sócio-gerente

Manuel Pizarro, atual ministro da Saúde, comunicou, através de um esclarecimento enviado às redações, ter dado início ao processo de dissolução da empresa 'Manuel Pizarro - Consultadoria, Lda', da qual é sócio-gerente. Este comunicado surgiu depois da 'CNN Portugal' ter noticiado que o ministro da Saúde, após três semanas ded ter assumido o cargo, ainda era gerente de uma empresa na área da saúde.

Ministra admite "pequenos acertos" nos aumentos e destaca esforço significativo

A ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, disse esta segunda-feira que há margem para melhorar a proposta de aumentos salariais da função pública, admitindo "pequenos acertos", mas destacando o esforço orçamental que o atual documento já contempla.