Edgar Silva (PCP) diz que 24 de janeiro é "data concreta para novo rumo"

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 19 nov (Lusa) - O candidato presidencial Edgar Silva, apoiado pelo PCP, definiu 24 de janeiro, data marcada pelo Presidente da República para o próximo sufrágio para chefe de Estado, como a "data concreta" para um "novo rumo" para o país.

"Temos já uma data concreta para que o povo português, em suas mãos, decida um novo rumo para Portugal. Isso é que é importante. Está já ao nosso alcance, não só agora com as novas soluções de Governo que se poderão vir a criar", afirmou, à margem de uma ação de campanha, em Lisboa, subordinada ao tema "A Constituição e os direitos dos trabalhadores", perante uma plateia repleta de sindicalistas.

Cavaco Silva agendou hoje para 24 de janeiro as próximas eleições presidenciais, as quais podem ultrapassar, em número de candidaturas, o ano de 2006, aquele que registou o maior número de candidatos (13), embora depois só tenham constado seis no boletim de voto.

"O povo português tem já uma data concreta para que um passo decisivo e fundamental seja dado para uma nova era, um novo rumo para o nosso país", completou Edgar Silva.

A cerca de um mês para o final do prazo de formalização das candidaturas a Belém são já mais de duas dezenas os nomes falados como 'presidenciáveis', que têm de angariar, pelo menos, 7.500 assinaturas válidas de outros cidadãos lusos.

HPG (VAM/ZO) // SMA

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Presidente da República lembra "grau de solidariedade única" dos portugueses em visita ao Banco Alimentar

O Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, lembrou este sábado o “grau de solidariedade único” dos portugueses, num país com um “número muito elevado” de pessoas em situação ou em risco de pobreza alimentar.

Orçamento tem de ser "elástico para permitir vários cenários", considera Presidente da República

O Presidente da República considerou este sábado que o Orçamento do Estado tem de ser "elástico para permitir vários cenários" e apontou que "é preciso ir reajustando" a sua aplicação, uma vez que "há tanta incógnita" em relação ao futuro.

Presidente da República diz que Fernando Gomes "marcou o futebol português"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou este sábado que o antigo avançado internacional português Fernando Gomes, que morreu aos 66 anos, "marcou o futebol português" e "foi determinante na afirmação" do país no estrangeiro.