Juiz do Tribunal da Relação de Lisboa afirma que José Sócrates foi preso sem indícios de corrupção

Juiz do Tribunal da Relação de Lisboa afirma que José Sócrates foi preso sem indícios de corrupção
| País
Porto Canal (DYC)

Juiz desembargador do Tribunal da Relação de Lisboa que votou contra a declaração de especial complexidade do processo Operação Marquês diz que o ex-primeiro-ministro foi preso sem indícios de corrupção.

O juiz José Reis invocou a "imagem do viajante que, perante a largueza da foz do rio, não cuida de descrever, ainda que sinteticamente, o seu percurso desde a nascente, presumindo e dando como adquirido que o abundante caudal que vê diante de si teve origem em tortuosos e recônditos meandros que levaram à formação de tamanha massa de água que se precipitou, sem fundamento ou justificação naquela foz", para insinuar que houve “deslumbramento” por parte da investigação da Operação Marquês.

José Reis afirma que não havia indícios de corrupção quando José Sócrates foi preso e colocado em prisão preventiva por suspeitas de fraude fiscal, corrupção e branqueamento de capitais.

O juiz desembargador deu a conhecer a sua posição num voto de vencido num acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa, que confirmou a declaração de especial complexidade do processo, decretada pelo juiz Carlos Alexandre.

+ notícias: País

DGS emite orientações para unidades de saúde detetarem precocemente casos de sarampo

A Direção-Geral da Saúde (DGS) emitiu orientações para as instituições prestadoras de cuidados de saúde para promover um “inquérito de risco infeccioso” na admissão do doente para identificar precocemente casos suspeitos de sarampo.

Mais de 500 pessoas detidas numa semana em Portugal

504 pessoas foram detidas pela Polícia de Segurança Pública (PSP) em todo o país, entre 15 a 21 de junho. Entre as detenções, 145 são relativas a crimes rodoviários, sendo que 68 são por condução sob o efeito de álcool e 77 por falta de habitação legal para conduzir.

Ministério da Saúde adia reuniões com sindicatos médicos

O Ministério da Saúde adiou as reuniões negociais que estavam agendadas para a próxima semana com a Federação Nacional dos Médicos e o Sindicato Independente dos Médicos, disseram hoje à Lusa os respetivos líderes sindicais.