Fevereiro é o mês mais curto do ano. Sabe porquê?

Fevereiro é o mês mais curto do ano. Sabe porquê?
Foto: Porto Canal
| País
Porto Canal

Não. Não se prende com o facto de ser ou não ano bissexto. Esta tende a ser a confusão mais recorrente, mas, na verdade, a explicação remonta ao império romano e à altura em que Júlio César quis adaptar o calendário, deixando de se basear na lua para se basear no ciclo solar.

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

A existência de várias festividades em Roma, 600 anos antes do nascimento de Cristo, levou à necessidade de as agrupar e organizar de forma a evitar conflitos de “agenda” e lutas entre romanos. Iniciava-se assim uma discussão que levaria à criação do primeiro calendário.

Os astrónomos dessa época eram já capazes de definir, de forma bastante precisa, o intervalo entre o solstício de verão até ao solstício de inverno. Através desses marcos tornava-se então possível definir o tempo que decorria entre dois solstícios de verão: 365 dias, 5 horas, 48 minutos e 47 segundos. Estava assim fixado o tempo necessário para se repetir o dia mais longo do ano.

A adaptação para o uso do calendário lunar acabaria por surgir pouco depois, dada a facilidade do seu uso. Os meses começariam por ser estabelecidos como tendo a duração de 30 ou 31 dias, número que seria alterado por Numa Pompilius, rei de Roma de 715 a 672 a.C., tendo em conta o “azar” dos números par e a sua vontade de definir o ano de acordo com os 12 ciclos lunares.

O ano iniciava-se então em março e todos os meses passavam assim a contar com 29 ou 30 dias, exceto o último, fevereiro, com apenas 28. Estudiosos afirmam que tal devia-se ao facto de ser o mês de Fébruo, o deus da morte e da purificação.

Feitas as contas, os 355 dias de ciclos lunares eram manifestamente inferiores aos 365 dias do ciclo solar. Ao fim de algum tempo, a confusão no calendário tornar-se-ia óbvia, com os meses a deixarem de coincidir com as estações em vigor.

Caberia a Júlio César regularizar uma situação que estava a tornar-se caótica entre romanos. Após o estudo do calendário egípcio, o imperador romano optaria por abandonar o calendário lunar e regressar ao solar.

Depois de mover janeiro e fevereiro para o início do ano, adicionou 10 dias a todos os meses até perfazer o total de 365 dias, passando fevereiro a contar com 29. Acabaria também por ser adicionado um dia extra ao mês ‘Julius’, ou julho, em homenagem a Júlio César, uma decisão mais tarde repetida por César Augusto, no mês de Augustus, ou agosto. Para tal, foi necessário retirar um dia a fevereiro, que regressaria assim aos 28 dias.

Desde então, cada ano conta com 365 dias, ficando assim por acrescentar 5 horas, 48 minutos e 47 segundos que contabilizam um dia extra para o mês de fevereiro, de quatro em quatro anos, e que definem os anos bissextos.

+ notícias: País

Portugal proibido de pescar carapau

A frota portuguesa esgotou a quota de pesca de carapau, na zona do Golfo da Biscaia Meridional, ficando estas capturas proibidas a partir de segunda-feira, anunciou esta segunda-feira a Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM).

Campanha em 600 farmácias para utentes doarem o troco das suas compras e ajudarem quem mais precisa

A campanha “Dê troco a quem precisa” arranca esta segunda-feira em cerca de 600 farmácias de todo o país que vão “convidar os utentes” a doar o troco das suas compras para ajudar quem mais precisa a comprar medicamentos.

APAV ajudou oito crianças todos os dias durante os últimos dois anos

Mais de 5.660 crianças e jovens foram apoiados pela Associação Portuguesa de Apoio à Vitima (APAV) nos últimos dois anos, um valor que subiu 18,2% no ano passado, chegando a uma média de oito por dia.