Tempo de espera para doentes urgentes ultrapassa as três horas no Hospital de São João

Tempo de espera para doentes urgentes ultrapassa as três horas no Hospital de São João
Foto: Filipa Brito | Porto.
| Porto
Porto Canal/Agências

O tempo médio de espera para doentes urgentes ultrapassava, às 22h00 desta sexta-feira, as três horas e meia, no Hospital de São João.

No Hospital de Santo António, o tempo de espera era de uma hora e 56 minutos. 

No Pedro Hispano, em Matosinhos, seis pessoas estavam com pulseira amarela, com tempo de espera de uma hora e 48 minutos, enquanto no hospital Eduardo Santos Silva, Vila Nova de Gaia, o tempo de espera para doentes urgentes estava dentro do tempo estimado.

A triagem de Manchester, que permite avaliar o risco clínico do utente e atribuir um grau de prioridade, inclui cinco níveis: emergente (pulseira vermelha), muito urgente (laranja), urgente (amarelo), pouco urgente (verde) e não urgente (azul).

Nos casos de pulseira amarela, o primeiro atendimento não deve demorar mais de 60 minutos, e no caso da pulseira verde a recomendação é que não vá além de 120 minutos (duas horas).

+ notícias: Porto

GNR desmantela rede que traficava droga no Porto. Apreendidas mais de 70 mil doses de haxixe

A GNR desmantelou, no domingo, uma rede de tráfico de droga que operava no Grande Porto, tendo detido 10 homens e apreendido mais de 70 mil doses de estupefacientes, bem como cerca de 100 mil euros, foi esta segunda-feira revelado.

Ativistas pró-Palestina obrigados a "desmobilizar" da Faculdade de Ciências do Porto

Os ativistas pró-palestina que desde quinta-feira se mantêm em protesto na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto receberam, no domingo, a indicação para desmobilizarem até às 20h de hoje ou “serão acionados meios” para os retirar.

Câmara do Porto reprova bolsa de prioridades para casos de despejo sem habitação assegurada

São precisas mais respostas de emergência e de inclusão social no Porto. Foi essa a base da proposta que a CDU apresentou esta segunda-feira, em reunião de executivo, que recomendava um programa integrado nas áreas mais carenciadas da cidade. A recomendação acabou reprovada, contando apenas com os votos favoráveis do PS e do Bloco de Esquerda.