"A direita apresenta uma alternativa de instabilidade", acusa Costa

"A direita apresenta uma alternativa de instabilidade", acusa Costa
| Política
Porto Canal/Agências

O secretário-geral socialista caracterizou este sábado como uma irresponsabilidade a abertura de uma crise política, apontou instabilidade na direita e afirmou esperar que o Presidente da República não seja forçado a dissolver mais vezes o parlamento.

António Costa falava aos jornalistas a meio da Comissão Nacional do PS, no Parque das Nações, em Lisboa, em que tentou sobretudo acentuar eventuais consequências negativas da crise política numa conjuntura complexa no plano internacional.

“O PS tem todas as condições para ganhar as eleições, já que a direita apresenta uma alternativa de instabilidade. Mesmo uma maioria parlamentar aritmética de direita dependente do Chega nunca será uma maioria governativa, porque o Chega não é um partido igual aos outros”, defendeu.

O ainda líder do executivo referiu-se, não apenas à ideologia no Chega, de extrema-direita, mas também ao comportamento dos dirigentes desta força política, razão pela qual, na sua perspetiva, este partido “será um fator permanente de instabilidade”.

“Aquilo que todos desejamos, seguramente, é que esta tenha sido a última dissolução do atual Presidente da República e que o chefe de Estado não fosse ainda fosse confrontado com a necessidade de fazer novas dissoluções no futuro”, advertiu.

Para António Costa, esta dissolução da Assembleia da República “foi totalmente despropositada e desnecessária, mas – pronto – está feita”.

“Agora, ser forçado a outra, isso não. Por isso, é essencial que a direita não seja maioritária na Assembleia da República e que possam existir outras soluções. O Chega não existe para governar, o Chega existe para contestar e para perturbar”, acentuou.

Deixou ainda outro recado, este dirigido ao PSD: “Que ninguém pense que lá por fazer um acordo com o Chega e ter uma maioria na Assembleia da República cria condições de governabilidade”.

“Não cria. Pelo contrário, é um fator de enorme ingovernabilidade”, sustentou.

+ notícias: Política

Biden fará novas declarações sobre tentativa de assassínio a Trump após FBI dar novas informações

O Presidente norte-americano, Joe Biden, foi informado este domingo pelo FBI e serviços secretos sobre os desenvolvimentos relacionados com a tentativa de assassínio de Donald Trump e fará uma nova declaração sobre o caso, indicou a Casa Branca.

Biden volta a condenar ataque a Trump: "Não há lugar na América para este tipo de violência"

O Presidente dos Estados Unidos voltou a falar ao ao país este domingo a partir da Casa Branca, após o ataque que feriu Donald Trump num comício na Pensilvânia. O presidente condenou a violência e afirmou que "não há lugar na América para este tipo de violência". "Tentativas de homicídio contrariam todos os valores desta nação. A união é o que importa neste momento. Deixem as autoridades fazerem o seu trabalho", frisou.

Marcelo prometeu fazer pressão para retorno da manifestação de interesses, diz associação de imigrantes

Representantes de imigrantes estiveram reunidos este domingo com o Presidente da República e dizem que Marcelo Rebelo de Sousa lhes prometeu lutar e “fazer pressão” para que volte a ser possível aos imigrantes recorrer à manifestação de interesses.