“Acho que o PM pediu ao Siza para ver isso…”, a escuta de Galamba que pode implicar António Costa

“Acho que o PM pediu ao Siza para ver isso…”, a escuta de Galamba que pode implicar António Costa
| Política
Porto Canal

João Galamba foi escutado a referir a capacidade de influência de António Costa no âmbito da Operação Influencer, o processo que investiga suspeitas de corrupção e tráfico de influências que está a ser liderado pela Procuradoria-Geral da República.

Segundo avança o Correio da Manhã na edição deste sábado, o atual ministro das Infraestruturas foi apanhado numa conversa com Eurico Brilhante Dias, então secretário de Estado da Internacionalização (atual líder parlamentar do PS), numa troca de mensagens considerada suspeita pelo Ministério Público (MP).

“O Siza [Pedro Siza Vieira, na altura ministro da Economia] falou comigo e acho que o PM [primeiro-ministro] pediu ao Siza para ver isso com o Matos Fernandes [então ministro do Ambiente] para resolver este problema”, escreveu Galamba a Brilhante Dias. Os procuradores acreditam que Galamba falava da alteração ambiental que permitiu a construção do centro de dados promovido pela Start Campus de Sines.

O “problema” que António Costa poderia resolver, acredita o MP, estaria relacionado com a recusa do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas em alterar a Zona Especial de Conservação de Sines – esta alteração seria essencial para que a Start Campus pudesse construir o centro de dados.

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

 

Numa outra escuta revelada no despacho do MP, os dois responsáveis da Start Campus foram apanhados a discutir o problema da Zona Especial de Conservação, tendo um dos sócios escrito que “o ministro da Economia [António Costa Silva], o das infraestruturas [Pedro Nuno Santos] e o primeiro-ministro aprovaram a desclassificação daquilo”.

O inquérito que visa o primeiro-ministro e que corre junto do Supremo Tribunal de Justiça foi aberto há 25 dias, ou seja no dia 17 de outubro.

O esclarecimento é dado pela Procuradoria Geral da República e acrescenta alguma informação à nota emitida na passada terça-feira.

Além da data agora divulgada, a PGR diz que "o Ministério Público se encontra vinculado por imposição legal" a abrir um inquérito "sempre que obtém notícia da eventual prática de factos criminalmente relevantes" e explica que tal foi feito junto do Supremo porque "o Código de Processo Penal" atribui um "foro especial ao primeiro-ministro".

De recordar que António Costa anunciou a demissão do cargo de primeiro-ministro na terça-feira e o Presidente da República decidiu dissolver a Assembleia da República e convocar eleições antecipadas para 10 de março.

 

+ notícias: Política

Quem é Elisabete Sousa, a “candidata-surpresa” que promete baralhar as eleições?

Na Via Norte, na Maia, foi colocado um cartaz com o slogan “Elisabete Sousa ‘24. Por um Portugal onde o ordenado mínimo são €5.000!”. Apesar de não ser feito um apelo direto ao voto, milhares de automobilistas que por ali passam terão já assumido estar perante uma candidatura às eleições legislativas de 10 de março. Mas Elisabete Sousa não vai figurar nos boletins de voto onde os portugueses vão escolher os seus representantes na Assembleia da República, não fosse ela na realidade uma personagem criada por uma conta paródia na rede social X. Os outdoors foram colocados na Avenida AEP e outros locais do Porto, bem como em Lisboa.

MP pede condenação de Ana Gomes por acusar Mário Ferreira de narcotráfico

O Ministério Publico pediu esta terça-feira a condenação da ex-eurodeputada Ana Gomes por difamação, dando como provado que a ex-diplomata acusou Mário Ferreira de estar ligado ao narcotráfico numa publicação numa rede social.

Paulo Raimundo diz que problemas da função pública não serão resolvidos por PS nem Direita

O secretário-geral do PCP denunciou esta terça-feira, em Palmela, a "falta de reconhecimento" dos trabalhadores da administração pública e considerou que a solução para os problemas destes profissionais não passa pelo PS ou pela direita