Metro do Porto quer chegar aos 150 milhões de clientes anuais em 2030

Metro do Porto quer chegar aos 150 milhões de clientes anuais em 2030
Foto: Porto Canal|Rita Ormonde
| Porto
Porto Canal/Agências

O presidente da Metro do Porto, Tiago Braga, fixou esta sexta-feira os 150 milhões de validações anuais como objetivo para a empresa até ao final da década, durante a cerimónia de apresentação das novas linhas, que decorreu em Gondomar.

"Podemos ter a ambição, e devemos ter a ambição, de transportar, no final desta década, cerca de 150 milhões de clientes [por ano]. Esta ambição significa multiplicar por três o número de passageiros que a Metro do Porto servia em 2015", disse esta sexta-feira Tiago Braga na cerimónia de apresentação da extensão da rede da Metro do Porto.

Em causa estão as linhas ISMAI - Muro - Trofa (metro até Muro e 'metrobus' até Paradela), Gondomar II (Dragão - Souto), Maia II (Roberto Frias - Parque Maia - Aeroporto) e São Mamede (IPO - Estádio do Mar), que foram apresentadas no Auditório Municipal de Gondomar, no distrito do Porto, na presença do primeiro-ministro, António Costa, do ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, e dos autarcas da região.

"Este exercício de planeamento designámos por Metro 3.0, encontra-se alinhado com as expectativas que os 80 milhões de clientes que a Metro do Porto estima transportar durante o ano de 2023, mais de 10% acima do valor recorde atingido em 2019, antes da covid", adiantou também Tiago Braga.

De acordo com o presidente da Metro do Porto, a extensão da rede tem "fundamentos distintos da primeira fase da Metro, privilegiando uma lógica mais circular, mais em anel, com uma estrutura verdadeiramente em rede".

O objetivo da Metro do Porto é ter "condições para competir com uma sociedade com uma grande apetência pelo transporte individual", que "ainda é utilizado por cerca de 75% dos cidadãos da Área Metropolitana do Porto".

Tiago Braga frisou que os novos investimentos permitirão "mitigar um dos problemas mais graves com que as cidades se confrontam atualmente, que é o congestionamento".

"Estas oito operações [as quatro novas linhas, o 'metrobus' da Boavista as Linhas Rosa e Rubi e a extensão da Linha Amarela], que entrarão ao serviço de uma por ano até ao final da década só serão importantes porque significam uma redução potencial de mais de 100 mil toneladas de CO2", frisou ainda o responsável da empresa.

O ministro do Ambiente, Duarte Cordeiro, frisou que é necessário "acelerar, e é muito importante a Metro do Porto dar este sinal", já que "transportes coletivos mais acessíveis e de maior qualidade são uma necessidade imperiosa" para avançar nos objetivos da descarbonização.

"Precisamos de alargar o recurso a veículos sem emissões, à utilização de bicicletas, ou aumentar a deslocação a pé, porque sabemos que nós temos que promover todo o tipo de deslocações que descarbonizem a mobilidade", defendeu o ministro.

Duarte Cordeiro frisou que as estimativas da Metro do Porto "indicam que as novas linhas vão transportar mais 24 milhões de passageiros [anuais]".

Já o anfitrião da sessão, o presidente da Câmara de Gondomar, Marco Martins, destacou que "Gondomar era o único município do primeiro anel da área metropolitana que não tinha metro na sua sede, um erro da primeira fase".

"Gondomar ainda é hoje o município da área metropolitana com a maior taxa de mobilidade pendular diária, de onde mais pessoas saem para trabalhar e estudar" para o Grande Porto, lembrou o autarca.

Marco Martins disse que a linha de Gondomar "será a linha dourada" da rede, manifestando-se ainda com "sentimento de dever cumprido".

+ notícias: Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte mudou com o Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte, no coração do Porto, ganhou o nome da loja da esquina voltada ao Mercado do Bolhão. A emblemática empresa da cidade viria a encerrar em 2004, paradoxalmente o ano da criação da Porto Vivo, Sociedade de Reabilitação Urbana, que lançou as bases da nova vida do quarteirão. Entre projetos, demolições e mudança de promotores imobiliários, só ao fim de quase 20 anos é que o espaço da cidade vai voltar a receber moradores. Numa viagem pela história, que resposta dá à cidade o novo Quarteirão da extinta Casa Forte?

“A ‘cidade-negócio’ vai-se descaracterizando completamente perdendo interesse até para turistas”

A histórica Mercearia do Bolhão, aberta no Porto desde 1880, vai encerrar portas a 30 de abril para dar lugar a uma loja da multinacional Ale-Hop, como avançou o Porto Canal na manhã desta sexta-feira. À esquerda, os vereadores da oposição da Câmara do Porto lamentam que a cidade se vá ‘descaracterizando’.

Mercearia mais antiga do Porto vai fechar para dar lugar a Ale-Hop

A Mercearia do Bolhão, a mais antiga da cidade do Porto, vai fechar a 30 de abril, depois de 144 anos de atividade no coração da baixa portuense. No seu lugar, vai abrir uma loja da cadeia espanhola Ale-Hop, confirmou em exclusivo ao Porto Canal o proprietário do espaço, Alberto Rodrigues.