Advogado Aníbal Pinto é o candidato do Chega à Câmara Municipal do Porto 

Advogado Aníbal Pinto é o candidato do Chega à Câmara Municipal do Porto 
| Porto
Porto Canal/Agências

O ex-presidente da concelhia de Matosinhos do Chega, Israel Pontes, formaliza esta sexta-feira a sua candidatura à Distrital do Porto, para recuperar a militância no distrito, apresentando o advogado Aníbal Pinto como futuro candidato à Câmara do Porto.

Marcadas para 10 de setembro, as eleições acontecem na sequência da demissão de vários membros da direção liderada desde março de 2021 pelo deputado Rui Afonso, que volta a ser candidato à presidência daquele órgão.

Luís Vasques, até então secretário da direção e um dos demissionários, encabeça outra das listas na corrida à Distrital do Porto, onde para já se conhecem três candidatos.

Apesar das acusações de alegadas agressões a Rui Afonso que conduziram à sua exoneração como presidente da Concelhia de Matosinhos - que desmente - Israel Pontes mostra-se confiante na vitória, afirmando "a Distrital do Porto está ao abandono desde 6 de março de 2021".

"Foram dois anos de nada, onde tivemos um presidente de uma distrital que é um elemento fantasma", afirmou, criticando a direção de Rui Afonso que acusa de ter "abandonado o Porto à sua sorte".

Antecipando a apresentação pública, esta sexta-feira à noite, das linhas orientadores do seu programa político, o também ex-candidato do Chega nas eleições legislativas à Câmara de Matosinhos, assume como objetivo maior o de recuperar a militância no Distrito do Porto, invertendo a tendência registada desde 2021.

"Em março de 2021, tínhamos 5.600 militantes, atualmente temos 600. Isto só demonstra o trabalho de destruição que foi feito. Nestes dois anos fecharam as concelhias todas, exoneraram toda a gente, fizeram 33 exonerações de elementos que eram coordenadores, chegou a altura de invertermos o pêndulo, senão qualquer dia o Chega desaparece no Porto", afirmou.

Israel Pontes aponta ainda como central para a sua candidatura a reabertura de todas as concelhias no distrito, recuperando o capital político perdido em consequência das exonerações concretizadas pelo partido, de que é exemplo Fernando Arriscado, antigo líder da Concelhia da Póvoa do Varzim do Chega, que voltou este ano a filiar-se no CDS-PP, partido do qual foi militante entre 1975 e 2005, após um convite da estrutura nacional.

Assume ainda a intenção de acabar com as nomeações para cargos concelhios, defendendo a importância do ato eleitoral, em contraponto com a situação atual, onde, acusa, as nomeações não têm por base a meritocracia, mas interesses instalados.

"A meritocracia tem de imperar, e não o nepotismo", declarou, classificando estas três medidas como a "espinha dorsal" do seu programa política que conta com o apoio de dois nomes relevantes no panorama político: o advogado Aníbal Pinto e ex-presidente da distrital do Chega no Porto, Jorge Lourenço, no cargo de vice-presidentes.

O advogado e comentador desportivo Aníbal Pinto, avança Israel Pontes, vai ser o candidato do Chega à Câmara do Porto, caso seja eleito presidente da Distrital do Porto.

"O Porto não pode ser mero trampolim", afirmou, defendendo que neste momento o Chega é um partido de Lisboa, situação que o Porto não pode aceitar.

A sua candidatura será apresentada esta noite, no hotel Eurostars da Asprela, Porto, às 21h30.

 

+ notícias: Porto

GNR desmantela rede que traficava droga no Porto. Apreendidas mais de 70 mil doses de haxixe

A GNR desmantelou, no domingo, uma rede de tráfico de droga que operava no Grande Porto, tendo detido 10 homens e apreendido mais de 70 mil doses de estupefacientes, bem como cerca de 100 mil euros, foi esta segunda-feira revelado.

Ativistas pró-Palestina obrigados a "desmobilizar" da Faculdade de Ciências do Porto

Os ativistas pró-palestina que desde quinta-feira se mantêm em protesto na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto receberam, no domingo, a indicação para desmobilizarem até às 20h de hoje ou “serão acionados meios” para os retirar.

Câmara do Porto reprova bolsa de prioridades para casos de despejo sem habitação assegurada

São precisas mais respostas de emergência e de inclusão social no Porto. Foi essa a base da proposta que a CDU apresentou esta segunda-feira, em reunião de executivo, que recomendava um programa integrado nas áreas mais carenciadas da cidade. A recomendação acabou reprovada, contando apenas com os votos favoráveis do PS e do Bloco de Esquerda.