Ex-presidente exonerado do Chega de Matosinhos na corrida à distrital do Porto

Ex-presidente exonerado do Chega de Matosinhos na corrida à distrital do Porto
| Norte
Porto Canal

O ex-presidente da concelhia de Matosinhos do Chega, Israel Pontes, formaliza hoje a sua candidatura à Distrital do Porto, para recuperar a militância no distrito, apresentando o advogado Aníbal Pinto como futuro candidato à Câmara do Porto.

Marcadas para 10 de setembro, as eleições acontecem na sequência da demissão de vários membros da direção liderada desde março de 2021 pelo deputado Rui Afonso, que volta a ser candidato à presidência daquele órgão.

Luís Vasques, até então secretário da direção e um dos demissionários, encabeça outra das listas na corrida à Distrital do Porto, onde para já se conhecem três candidatos.

Apesar das acusações de alegadas agressões a Rui Afonso que conduziram à sua exoneração como presidente da Concelhia de Matosinhos – que desmente - Israel Pontes mostra-se confiante na vitória, afirmando “a Distrital do Porto está ao abandono desde 06 de março de 2021”.

“Foram dois anos de nada, onde tivemos um presidente de uma distrital que é um elemento fantasma”, afirmou, criticando a direção de Rui Afonso que acusa de ter “abandonado o Porto à sua sorte”.

Antecipando a apresentação pública, hoje à noite, das linhas orientadores do seu programa político, o também ex-candidato do Chega nas eleições legislativas à Câmara de Matosinhos, assume como objetivo maior o de recuperar a militância no Distrito do Porto, invertendo a tendência registada desde 2021.

“Em março de 2021, tínhamos 5.600 militantes, atualmente temos 600. Isto só demonstra o trabalho de destruição que foi feito. Nestes dois anos fecharam as concelhias todas, exoneraram toda a gente, fizeram 33 exonerações de elementos que eram coordenadores, chegou a altura de invertermos o pêndulo, senão qualquer dia o Chega desaparece no Porto”, afirmou.

Israel Pontes aponta ainda como central para a sua candidatura a reabertura de todas as concelhias no distrito, recuperando o capital político perdido em consequência das exonerações concretizadas pelo partido, de que é exemplo Fernando Arriscado, antigo líder da Concelhia da Póvoa do Varzim do Chega, que voltou este ano a filiar-se no CDS-PP, partido do qual foi militante entre 1975 e 2005, após um convite da estrutura nacional.

Assume ainda a intenção de acabar com as nomeações para cargos concelhios, defendendo a importância do ato eleitoral, em contraponto com a situação atual, onde, acusa, as nomeações não têm por base a meritocracia, mas interesses instalados.

“A meritocracia tem de imperar, e não o nepotismo”, declarou, classificando estas três medidas como a “espinha dorsal” do seu programa política que conta com o apoio de dois nomes relevantes no panorama político: o advogado Aníbal Pinto e ex-presidente da distrital do Chega no Porto, Jorge Lourenço, no cargo de vice-presidentes.

O advogado e comentador desportivo Aníbal Pinto, avança Israel Pontes, vai ser o candidato do Chega à Câmara do Porto, caso seja eleito presidente da Distrital do Porto.

“O Porto não pode ser mero trampolim”, afirmou, defendendo que neste momento o Chega é um partido de Lisboa, situação que o Porto não pode aceitar.

A sua candidatura será apresentada esta noite, no hotel Eurostars da Asprela, Porto, às 21h30.

+ notícias: Norte

Obra da Linha Rubi do metro corta rotunda Edgar Cardoso em Gaia durante dois anos

As obras da futura Linha Rubi (H) do Metro do Porto vão arrancar "em força" em Vila Nova de Gaia a partir de sexta-feira, cortando a rotunda Edgar Cardoso durante dois anos, revelou a transportadora esta segunda-feira.

Maior fabricante mundial de torres eólicas emprega mais de 1200 pessoas em Aveiro 

A empresa sul-coreana CS Wind vai inaugurar no dia 22 de maio uma nova unidade de produção na zona portuária de Aveiro. A nova infraestrutura do líder mundial de torres eólicas representou um investimento de 120 milhões de euros.

Queda da Farfetch não compromete construção da “Nova Califórnia” em Matosinhos

A Castro Group, empresa responsável pela criação do Fuse Valley, em Matosinhos, num investimento conjunto de 200 milhões de euros com a Farfetch, avança que o projeto está em fase final do processo de licenciamento do loteamento, aguardando aprovação “a qualquer momento”.