Euro cai e segue abaixo de 1,09 dólares com Fed a assinalar riscos para inflação

Euro cai e segue abaixo de 1,09 dólares com Fed a assinalar riscos para inflação
| Economia
Porto Canal / Agências

O euro voltou hoje a depreciar-se, seguindo abaixo dos 1,09 dólares, depois de as atas da Reserva Federal norte-americana (Fed) terem revelado que a maioria dos membros do comité assinalam riscos em alta para a inflação.

Às 18:00 (hora de Lisboa), o euro negociava a 1,0877 dólares, quando à mesma hora, na quarta-feira, seguia a 1,0891 dólares.

O Banco Central Europeu (BCE) fixou o câmbio de referência do euro em 1,090 dólares.

As atas da última reunião da Fed, de 25 e 26 de julho, divulgadas na quarta-feira, mostram que a maioria dos membros do comité vê riscos significativos para a inflação, considerando que pode levar a mais subida dos juros.

"Com a inflação ainda bem acima da meta de longo prazo do Comité e o mercado de trabalho a continuar apertado, a maioria dos participantes continuou a ver riscos significativos em alta para a inflação, o que pode exigir mais aperto da política monetária", pode ler-se nas atas.

Divisas................hoje............quarta-feira

Euro/dólar............1,0877................1,0891

Euro/libra............0,85250..............0,85534

Euro/iene.............158,95................158,85

Dólar/iene............146,14................145,85

+ notícias: Economia

Preço dos combustíveis segue direções opostas 

Depois de várias semanas consecutivas de descida, o preço dos combustíveis vai sofrer ligeira alterações, a partir desta segunda-feira. 

Semana arranca com sobe e desce nos preços dos combustíveis. Saiba onde é mais barato abastecer no Porto

Os preços dos combustíveis sofreram atualizações em sentidos inversos no início desta semana. O preço do litro de gasóleo a aumenta esta segunda-feira, já a gasolina regista descidas no valor a pagar.

Bruxelas elogia cortes "permanentes de despesa" anunciados pelo Governo

A Comissão Europeia saudou hoje o facto de as medidas anunciadas pelo primeiro-ministro se basearem em "reduções permanentes de despesa" e destacou a importância de existir um "forte compromisso" do Governo na concretização do programa de ajustamento.