Habitação: Cavaco justifica crise com "falhanço da política do Governo" de Costa

| Economia
Porto Canal / Agências

O ex-Presidente da República, Cavaco Silva, considerou este sábado que a crise na habitação "é resultado do falhanço" da política do Governo", manifestando "muitas dúvidas" quanto ao sucesso do pacote do executivo, que tem um "problema de credibilidade".

Cavaco Silva falava na conferência que assinalou os 30 anos do Programa Especial de Realojamento (PER), uma iniciativa da Câmara de Lisboa, num discurso muito crítico em relação ao novo programa "Mais Habitação" e à atuação do Governo socialista liderado por António Costa.

"Como tem sido sublinhado, a atual crise é o resultado do falhanço da política do Governo no domínio da habitação nos últimos sete anos, com custos sociais muito elevados para milhares de famílias", acusou, tendo na plateia, entre outros, o presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, e o líder do PSD, Luís Montenegro.

Apesar de identificar medidas positivas como o fim dos 'vistos gold', o antigo chefe de Estado apontou "outras medidas negativas", considerando que o novo pacote de medidas do Governo para a habitação "tem um problema de credibilidade".

"Como o historial do Governo dos últimos sete anos não é positivo em matéria de cumprimento de promessas feitas, o novo programa de habitação sofre do problema de credibilidade próprio das políticas do atual executivo", considerou.

Cavaco Silva deixou um conjunto de conselhos ao Governo para estas medidas, entre os quais que o executivo que "se encoste à credibilidade das câmaras municipais" nesta matéria, mas manifestou "muitas dúvidas de que o novo programa tenha sucesso".

"Para além da falta de credibilidade, há um outro fator inerente ao atual Governo que põe em causa a eficácia prática do programa. Trata-se do fator confiança. Ao longo dos sete anos no poder, o Governo tem feito o possível para corroer a confiança dos investidores", criticou.

+ notícias: Economia

Todos os jovens vão ter isenção de IMT e Imposto do Selo

Os jovens até aos 35 anos podem beneficiar de isenção de IMT e Imposto do Selo na compra de primeira habitação independentemente do seu rendimento, disse esta quinta-feira a ministra da Juventude e Modernização.

Jovens podem optar entre o atual regime de IRS ou o novo

Os jovens que já se encontrem a usufruir do atual regime de IRS vão poder optar, em janeiro, entre manter-se neste ou optar pelo novo regime hoje aprovado pelo Governo que reduz as taxas para um terço das 'normais'.

Pacote medidas para os jovens vai custar cerca de 1,3 mil milhões de euros em dois anos

As medidas para a juventude apresentadas esta quinta-feira pelo Governo têm um impacto financeiro global estimado de pelo menos 1.262,3 milhões de euros entre 2024 e 2025, com a fatura a ser mais elevada no próximo ano, segundo cálculos da Lusa.