Governo garante estar "a fazer contas" para avaliar recuperação de serviço dos professores

Governo garante estar "a fazer contas" para avaliar recuperação de serviço dos professores
| País
Porto Canal/Agências

O ministro da Educação, João Costa, afirmou este domingo que estão a ser feitos estudos e contas para avaliar em que termos o tempo de serviço congelado aos professores pode ser recuperado, para que possam ser apresentadas propostas.

"Estamos a fazer contas, estudos de comparabilidade com outras carreiras, estudos de projeção sobre o impacto em números de professores para depois apresentarmos propostas e podermos dizer até onde podemos ir", disse, em entrevista conjunta à rádio TSF e ao jornal JN.

Os professores, que têm feito greve e saído à rua em protesto, não abdicam dos cerca de seis anos e meio de serviço congelados, lembrando que o Governo "devolveu" esse tempo aos docentes que trabalham nas escolas dos Açores e da Madeira.

Enquanto a tutela não avançar com uma proposta de calendarização para debater o assunto, os professores vão continuar em protesto, participando em novas manifestações e greves.

Na quinta-feira, as negociações entre Governo e sindicatos dos professores terminaram sem acordo. Um dos motivos que tem levado os sindicatos a recusarem qualquer acordo é a rejeição do Governo em recuperar o tempo de serviço congelado durante a 'troika'.

Ainda assim, as organizações sindicais vão aguardar o diploma final do Ministério da Educação, que deverá ser enviado até quarta-feira, para decidirem, até quinta-feira, se pedem ou não a negociação suplementar.

"O que temos de garantir é que o que se faz numa carreira não é desproporcional face ao que acontece com outras e, por isso, temos que fazer esta análise comparada, porque todas as carreiras são igualmente dignas e todas as carreiras são igualmente merecedoras de intervenção", sustentou João Costa, na entrevista à TSF e ao JN, assinalando que a prioridade das negociações com os professores foi a revisão do modelo de recrutamento.

Em entrevista a 16 de fevereiro à televisão TVI, o primeiro-ministro, António Costa, frisou que "não há condições" para devolver o tempo de serviço aos professores, invocando que tal "significaria 1.300 milhões de euros de despesa permanente todos os anos".

+ notícias: País

Porta 65 Jovem deixa de exigir apresentação prévia de contrato de arrendamento 

As candidaturas ao programa Porta 65 Jovem vão deixar de exigir a apresentação prévia de contrato de arrendamento e vão passar a poder ser feitas com três recibos de vencimento, em vez dos atuais seis, anunciou esta quinta-feira o Governo.

Portugal defende reconhecimento internacional da Palestina na ONU

A representante permanente de Portugal na ONU, Ana Paula Zacarias, considera "muito importante" o reconhecimento internacional da Palestina nas Nações Unidas, admitindo estar convicta de que esse "dossiê evoluirá", mesmo após a oposição norte-americana.

Ameaça de bomba na sede do Chega em Lisboa

O edifício da sede do Chega, em Lisboa, foi esta quinta-feira evacuado depois de um homem ter entrado alegando ter uma bomba, confirmou à Lusa a PSP, que o intercetou e ativou o centro de inativação de explosivos.