Professores e Ministério retomam negociações em ambiente de contestação

Professores e Ministério retomam negociações em ambiente de contestação
| País
Porto Canal/Agências

Sindicatos de professores e Ministério da Educação retomam esta quarta-feira negociações sobre um novo modelo de recrutamento e colocação de docentes em ambiente de contestação, com o ministro a anunciar que será a última ronda sobre a matéria.

A quinta ronda negocial sobre um novo modelo de recrutamento e colocação de professores que tem levado a forte contestação nas escolas desde o final do ano passado, com a realização de greves, protestos e várias manifestações nacionais, decorrerá esta quarta-feira e sexta-feira.

Nestes dois dias de negociação os professores regressam com protestos à porta das suas escolas e continua a greve convocada pelo Sindicato de Todos os Profissionais de Educação (STOP).

A reunião desta quarta-feira será também marcada pela divulgação do parecer pedido pelo Ministério à Procuradoria-Geral da República para analisar a legalidade das greves convocadas pelo STOP e pelo Sindicato Independente de Professores e Educadores (SIPE).

O parecer chegou no final da semana passada aos serviços do Ministério, mas o ministro João Costa anunciou que iria divulgar as conclusões “em primeira mão” aos docentes durante a ronda negocial desta quarta-feira.

A greve por tempo indeterminado convocada pelo STOP levou a que fossem decretados serviços mínimos nas escolas, levando os diretores a ameaçar demitir-se perante a tarefa de ter de convocar funcionários e docentes para garantir as decisões do Tribunal Arbitral.

Entre as novidades da última decisão do Tribunal Arbitral está a de as escolas terem de garantir três horas de aulas a partir de quinta-feira, além das outras obrigações, como a de receber os alunos com necessidades educativas especiais e as crianças em risco, assim como dar refeições e garantir a segurança do espaço escolar.

Em declarações aos jornalistas na terça-feira, o ministro da Educação mostrou-se confiante sobre as reuniões desta semana, sublinhando que a tutela tem feito um esforço para se aproximar das posições dos sindicatos.

João Costa deu como exemplo o regresso à graduação profissional como único critério de seleção dos professores ou o aumento de Quadros de Zona Pedagógica.

Mas, além da questão do recrutamento e colocações, os sindicatos exigem que a tutela avance com uma calendarização de processos negociais de outras matérias, como a recuperação do tempo de serviço congelado ou a eliminação das vagas e quotas.

Os sindicatos também criticaram a posição da tutela por anunciar que esta será a última ronda negocial sobre o novo modelo de colocação e recrutamento.

Na última ronda negocial foram convocados os 12 sindicatos para negociar em mesa única, tal como será novamente esta semana.

+ notícias: País

Recusa de documento para viajar pode estar na origem do ataque ao Centro Ismaili de Lisboa

Na véspera do ataque ao Centro Ismaili, em Lisboa, Abdul Bashir recebeu um telefonema a negar um documento oficial que precisaria para a viajar com os filhos para a Suíça.

Trabalhadores da Lusa iniciam esta quinta-feira greve de quatro dias

Os trabalhadores da agência Lusa iniciam esta quinta-feira uma greve de quatro dias entre a 00h desta quinta-feira e a 00h da próxima segunda-feira, dia 3 de abril.

O mínimo para novo apoio de contratação de jovens é de 1330 euros

Empresas podem receber até 12.400 euros e os trabalhadores uma bolsa mensal de 150 euros.