Serviço de iluminação, som e imagem para palco-altar da JMJ custa ao Governo 6,5 milhões de euros

Serviço de iluminação, som e imagem para palco-altar da JMJ custa ao Governo 6,5 milhões de euros
| País
Porto Canal

Depois dos avultados custos no valor de 4 milhões e 240 mil euros para a construção do Altar-Palco no Parque Tejo-Trancão (entretanto alvo de uma revisão orçamental), surge mais um contrato milionário, no âmbito das Jornada Mundial da Juventude (JMJ). 

O Governo vai desembolsar 6,5 milhões de euros (com IVA incluído) pela aquisição de serviços de fornecimento, motagem e operacionalização de sistemas de áudio e vídeo, iluminação ambiente e respetivo abastecimento de energia para o palco no complexo do Trancão. A infraestrutura, inicialmente avaliada em 4,2 milhões de euros gerou enorme controvérsia e, após uma chuva de críticas, passou para os 2,9 milhões de euros, representando um corte de 30%.

Contrariamente ao que sucedeu com o palco-altar, que foi atribuído por ajuste direto através de uma empresa municipal, a Lisboa Ocidental, SRU - Sociedade de Reabilitação Urbana EM, SA, este serviço foi celebrado por concurso público, organizado pela Secretaria-Geral da Presidência do Conselho de Ministros. 

Cinco entidades mostraram interesse, sendo que o contrato, válido até ao final de agosto, recebeu luz verde do Tribunal de Contas, tendo sido ganho pela sociedade Pixel Light, uma das maiores empresas especializadas em iluminação de mega-eventos como é o caso do Rock in Rio ou o Festival Eurovisão da Canção. 

Igreja financia Palco do parque Eduardo VII

Já sobre o segundo palco da JMJ, localizado no Parque Eduardo VII, Carlos Moedas, presidente da Câmara de Lisboa, revela que o palco será pago pela Igreja e representará um investimento de 450 mil euros."A Jornada Mundial da Juventude, a sua organização local e Américo Aguiar [bispo auxiliar de Lisboa e presidente da Fundação JMJ] decidiram financiar este palco no Parque Eduardo VII", destacou.

+ notícias: País

DGS emite orientações para unidades de saúde detetarem precocemente casos de sarampo

A Direção-Geral da Saúde (DGS) emitiu orientações para as instituições prestadoras de cuidados de saúde para promover um “inquérito de risco infeccioso” na admissão do doente para identificar precocemente casos suspeitos de sarampo.

Mais de 500 pessoas detidas numa semana em Portugal

504 pessoas foram detidas pela Polícia de Segurança Pública (PSP) em todo o país, entre 15 a 21 de junho. Entre as detenções, 145 são relativas a crimes rodoviários, sendo que 68 são por condução sob o efeito de álcool e 77 por falta de habitação legal para conduzir.

Ministério da Saúde adia reuniões com sindicatos médicos

O Ministério da Saúde adiou as reuniões negociais que estavam agendadas para a próxima semana com a Federação Nacional dos Médicos e o Sindicato Independente dos Médicos, disseram hoje à Lusa os respetivos líderes sindicais.