Bispo auxiliar de Lisboa considera que abusos sexuais na igreja não mancham Jornada Mundial da Juventude

Bispo auxiliar de Lisboa considera que abusos sexuais na igreja não mancham Jornada Mundial da Juventude
| País
Porto Canal/Agências

O bispo auxiliar de Lisboa considerou na quarta-feira que os casos de abusos sexuais na igreja católica portuguesa não constituem uma mancha para as Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ), que se realizam em agosto, em Lisboa.

“Mancha indelével é um jovem ou uma criança ter sofrido um abuso. Para a JMJ e para a notoriedade da igreja, seja lá para o que for, nada se compara ao sofrimento vivido por alguém tenha sido vítima de um crime destes, tudo o resto é secundário”, frisou Américo Aguiar.

O presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023, que falava aos jornalistas antes de um encontro com jovens no Instituto Justiça e Paz, em Coimbra, não antevê que o relatório da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais de Crianças na Igreja Católica reduza a participação no encontro.

Para Américo Aguiar, as decisões de participação ou não “decorrem no coração de cada um”, mas que até à data os “desejos de inscrição” estão a atingir os 500 mil na primeira fase, “sem que houvesse qualquer tipo de reação, nem melhor nem pior”.

O líder da organização das JMJ salientou o facto da igreja católica portuguesa ter avançado com a comissão independente e de ter criado todas as condições para pudesse ter feito o seu trabalho.

“Agora é o momento de lermos o relatório e de quem de direito tomar as decisões que são urgentes e inadiáveis para que não volte a acontecer”, sublinhou o bispo auxiliar de Lisboa.

“O que devia ser feito foi feito e o que tem de ser feito tem de ser feito, independentemente dos calendários, porque, como dizia há dias, a dor não prescreve, o mal está feito e o que é preciso fazer é impedir que volte a ocorrer”, acrescentou.

A esmagadora maioria dos cerca de meio milhão de jovens inscritos são estrangeiros, de 183 países, segundo Américo Aguiar, que gostava de contar com jovens de todos os países da lista oficial das Nações Unidas.

“Tenho pedido muito aos portugueses que confiem que a JMJ é algo muito positivo para os jovens portugueses, não só católicos, mas para a juventude do mundo inteiro”, enfatizou.

A JMJ, considerada o maior acontecimento da Igreja Católica, vai realizar-se este ano em Lisboa, entre 01 e 06 de agosto, sendo esperadas cerca de 1,5 milhões de pessoas.

As principais cerimónias da jornada decorrem no Parque Tejo, a norte do Parque das Nações, na margem ribeirinha do Tejo, em terrenos dos concelhos de Lisboa e Loures.

A realização da JMJ tem um custo superior a 150 milhões de euros, segundo as estimativas mais recentes da Igreja Católica (cerca de 80 milhões), do Governo (30 milhões, sem considerar o IVA, que reverte a favor do Estado) e dos municípios de Lisboa (até 35 milhões de euros) e Loures (10 milhões).

As jornadas nasceram por iniciativa do Papa João Paulo II, após o sucesso do encontro promovido em 1985, em Roma, no Ano Internacional da Juventude.

O Papa Francisco estará em Lisboa para participar na JMJ.

+ notícias: País

DGS emite orientações para unidades de saúde detetarem precocemente casos de sarampo

A Direção-Geral da Saúde (DGS) emitiu orientações para as instituições prestadoras de cuidados de saúde para promover um “inquérito de risco infeccioso” na admissão do doente para identificar precocemente casos suspeitos de sarampo.

Mais de 500 pessoas detidas numa semana em Portugal

504 pessoas foram detidas pela Polícia de Segurança Pública (PSP) em todo o país, entre 15 a 21 de junho. Entre as detenções, 145 são relativas a crimes rodoviários, sendo que 68 são por condução sob o efeito de álcool e 77 por falta de habitação legal para conduzir.

Ministério da Saúde adia reuniões com sindicatos médicos

O Ministério da Saúde adiou as reuniões negociais que estavam agendadas para a próxima semana com a Federação Nacional dos Médicos e o Sindicato Independente dos Médicos, disseram hoje à Lusa os respetivos líderes sindicais.