Operação Admiral: Marido de Ana Lúcia Matos fica em prisão preventiva

| País
Porto Canal

Na semana passada, Ana Lúcia Matos e o marido foram duas das 14 pessoas detidas, no âmbito da megaoperação internacional de combate à fraude fiscal (Operação Admiral).

Esta terça-feira, seis arguidos da Operação Admiral vão aguardar o desenrolar do processo em prisão preventiva, incluindo o marido da apresentadora Ana Lúcia Matos. Um dos arguidos passará depois a prisão domiciliária, com proibição de contactos.

Segundo a nota divulgada à comunicação social, o sexto arguido que ainda se encontra detido viu ser-lhe aplicada a medida de coação de prisão domiciliária, sendo que "até que se mostrem preenchidos todos os requisitos necessários" para o cumprimento dessa medida irá aguardar em prisão preventiva.

Quanto aos restantes oito arguidos, o TIC do Porto aplicou as medidas de Termo de Identidade e Residência (TIR), proibição de constituírem sociedades e/ou abrir contas bancárias ou nelas deterem poderes de movimentação, proibição de contactar entre si e/ou com qualquer interveniente processual e proibição de se ausentar para o estrangeiro sem autorização prévia do tribunal.

O Porto Canal soube que a modelo e o marido foram surpreendidos na passada terça-feira, na moradia onde vivem na Margem do Sul, por inspetores da Polícia Judiciária que deram cumprimento ao mandado de busca e detenção. Foram apreendidos vários bens ao casal.

A operação Admiral é a maior investigação europeia de fuga ao fisco com um valor global de faturação de 2,2 mil milhões de euros. A operação está a ser coordenada pelo Departamento de Investigação e Ação Penal do Porto. Já na passada terça-feira decorreram buscas na Margem Sul, Santarém, Figueira da Foz, Coimbra, Vila Nova de Gaia, Porto, Guimarães e Braga.

+ notícias: País

Marcelo relembra vítimas do Holocausto: "Barbárie nazi"

O Presidente da República juntou-se às homenagens no dia das celebrações do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto.

“Estou escandalizado”, diz padre Lino Maia sobre custo do altar-palco da JMJ

Construção da estrutura para receber a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) vai custar 4,2M€.

Decisão do Governo sobre se avança com referendo à regionalização conhecida no início de 2024

A realização de um referendo sobre a regionalização em 2024 está no programa do Governo para esta legislatura, contudo, a decisão sobre se o executivo avança, efetivamente, para essa consulta popular só será tomada no início do próximo ano.