“Eu nasci em Lisboa, mas o Porto é a minha cidade." — Ana Luísa Amaral (1956-2022)

“Eu nasci em Lisboa, mas o Porto é a minha cidade." — Ana Luísa Amaral (1956-2022)
| Norte
Porto Canal

A escritora, poestisa e tradutora Ana Luísa Amaral morreu esta sexta-feira, aos 66 anos, vítima de doença prolongada.

Ana Luísa Ribeiro Barata do Amaral nasceu em Lisboa, na Maternidade Alfredo da Costa, a 5 de abril de 1956. Mas foi no Porto, a "sua" cidade, que viveu grande parte da sua vida. Aos nove anos deixou Sintra e deslocou-se para Leça da Palmeira, lugar que adoptou como seu.

Segundo o portal da Universidade do Porto, alma mater da poetisa, a sua infância foi marcada pela leitura de obras de autores anglo-saxónicos, como Walter Scott (1771-1832), Washington Irving (1783-1859), Louisa Alcott (1832-1888) e Enid Blyton (1897-1968). 

Entre os dez e os dezasseis anos de idade frequentou um colégio de freiras espanholas e, mais tarde, estudou Germânicas na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, onde veio a lecionar.

Em 1985 realizou provas de aptidão pedagógica e capacidade científica na especialidade de Literatura Inglesa. Novamente na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, em 1996, defendeu provas de doutoramento na especialidade de Literatura Norte-Americana, tendo sido aprovada com distinção e louvor. A tese que apresentou intitula-se Emily Dickinson: uma poética de excesso.

Durante a década de 80 deslocou-se pontualmente a Inglaterra. Viveu nos Estados Unidos da América entre 1991 e 1992.

Recentemente, na sessão de apresentação da Feira do Livro do Porto, evento que a escolheu como personalidade a homeangear na edição de 2022, Ana Luísa Amaral afirmou que, apesar de ter nascido em Lisboa, o Porto era a sua minha cidade: "É a cidade que me acolheu, uma cidade maravilhosa.”

+ notícias: Norte

Autoridades proibem banhos em praias de Matosinhos. Veja aqui quais e porquê

As praias de Matosinhos em que os banhos tinham sido desaconselhados pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) na terça-feira, após um incêndio numa fábrica de tintas, foram hoje interditadas, indicou à Lusa o capitão do porto do Douro.

Trotinetes elétricas circulam pelo Porto em zonas proibidas pelo regulamento

As trotinetes elétricas, cuja presença no Porto aumentou nas últimas semanas, circulam em zonas pedonais como Cedofeita, Ribeira ou Santa Catarina, apesar de o regulamento municipal o impedir, constatou a Lusa nestes locais do centro histórico.

Reitor da Univ. Minho diz que reforço de financiamento era o primeiro passo para garantir o futuro da instituição

Em declarações ao Porto Canal na manhã desta quinta-feira, o Reitor da Universidade do Minho, Rui Vieira de Castro, mostrou-se satisfeito com o reforço de financiamento anunciado pelo Ministério da Ciência e do Ensino Superior, acrescentando que este foi apenas o primeiro passo para garantir o futuro da instituição.