Homem constituído arguido pela suspeita do fogo em Vila Pouca de Aguiar

Homem constituído arguido pela suspeita do fogo em Vila Pouca de Aguiar
| Norte
Porto Canal / Agências

Um homem de cerca de 50 anos foi constituído arguido pela suspeita de realização de trabalhos em área florestal que poderão estar na origem do incêndio que lavra em Vila Pouca de Aguiar, disse hoje fonte da GNR.

Fonte do comando distrital de Vila Real da GNR disse à agência Lusa que o suspeito é um homem na casa dos 50 anos, funcionário de uma empresa que procedia a trabalhos na área de floresta onde, na quarta-feira, deflagrou o fogo que atinge o concelho do distrito de Vila Real.

A GNR disse que após "diligências de investigação" se chegou ao indivíduo que foi constituído arguido.

Segundo o 'site' da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), o fogo que teve origem na zona de Revel mobilizava, pelas 19:00, 474 operacionais, 144 viaturas e oito meios aéreos.

O alerta para o fogo foi dado às 17:14 de quarta-feira e, em pouco tempo, verificou-se uma grande mobilização de meios para esta ocorrência que teve uma progressão muito rápida em zona de pinhal.

+ notícias: Norte

Populares e ativistas marcaram presença num protesto contra a exploração de lítio na mina do Barroso

Na manhã desta terça-feira, dezenas de populares e ativistas marcaram presença numa manifestação contra a exploração de lítio na mina do Barroso. A arruada simbólica serviu de alerta para os impactos ambientais e para a escassez de água de que a região enfrenta e que a extração mineira pode agravar.

Trabalhadores da maior produtora de cogumelos frescos em greve por melhores salários e condições de trabalho

Os trabalhadores das unidades de produção da maior produtora de cogumelos frescos do país estiveram em greve ao longo desta terça-feira. Ao que apurou o Porto Canal, os trabalhadores exigem um aumento dos salários, do subsídio de alimentação e ainda melhores condições de trabalho.

Uso "desenfreado" de trotinetes aumentou "medo de usar o espaço público" em invisuais

O uso "desenfreado e sem civismo" de trotinetes aumentou o medo de usar o espaço público nas pessoas invisuais, agudizando o sentimento de isolamento de quem não vê, denunciou esta terça-feira a Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal.