Sobrinho chegou a transferir 1 milhão por semana para o Sporting. Dinheiro foi desviado entre 2011 e 2012 do BESA

Sobrinho chegou a transferir 1 milhão por semana para o Sporting. Dinheiro foi desviado entre 2011 e 2012 do BESA
| Norte
Porto Canal

O ex-Presidente do BES Angola (BESA), Álvaro Sobrinho, é acusado pelo Ministério Público (MP) de ter desviado 15 milhões de euros da instituição bancária que dirigia para o Sporting Clube de Portugal. O dinheiro foi transacionado em 12 transferências bancárias, entre 2011 e 2012, por parte do BESA, chegando a ter uma cadência semanal. A operação decorreu numa altura em que o clube de Alvalade enfrentava dificuldades de tesouraria.

A “teia” por trás do império angolano

Em dezembro de 2014, quando foi chamado à comissão parlamentar de inquérito sobre o colapso do Banco Espírito Santo, Álvaro Sobrinho recusou explicar a origem da fortuna que acumulou enquanto líder do BES Angola.

Um império conseguido diretamente das contas bancárias em que o BESA recebia os financiamentos do banco português Espírito Santo, alega o Ministério Público (MP). Este dinheiro terá sido registado contabilisticamente como créditos concedidos a clientes cujo nome não era inscrito nas contas do banco.

Em conjunto com Ricardo Salgado, Amílcar Morais Pires e Hélder Bataglia, Álvaro Sobrinho terá desviado mais de 450 milhões de euros do BESA, um dos principais responsáveis pela queda do Grupo Espírito Santo, sendo que a maior fatia (390 milhões de euros) terá ido parar à esfera do empresário luso-angolano.

Segundo o Ministério Público, Sobrinho “fez construir artificialmente ao nível contabilístico, no BESA, uma teia de relações fictícias, sem qualquer substrato real, como forma de justificar, contabilisticamente inúmera saída de fundos das contas do BESA domiciliadas no BES, em Lisboa, em seu benefício próprio ou em benefício de terceiros.”

O dinheiro depois de desviado seria distribuído por 23 sociedades offshore, sediadas em paraísos fiscais, como as Ilhas Seicheles, Ilhas Virgens Britânicas, Luxemburgo e Ilhas Caimão (todas controladas por Álvaro Sobrinho, segundo o MP).

Fortunas usadas para alimentar extravagâncias do ex-líder do banco angolano. Recorrendo a verbas do BESA, Álvaro Sobrinho terá comprado em Portugal um património imobiliário que inclui seis apartamentos de luxo no empreendimento Estoril-Sol Residence, por nove milhões, e uma quinta no Douro que pertencia à família Cálem e vários relógios de pulso, avaliados em centenas de milhares de euros.

Anos de turbulência em Alvalade e “pedido de resgate” a Sobrinho

Mas se estes eram anos dourados para Álvaro Sobrinho, o mesmo não se verificava no Sporting Clube de Portugal (SCP), que atravessava dificuldades económicas e estava arredado das grandes conquistas no plano desportivo, perante a descrença sportinguista. Foi assim que o clube de Alvalade viu no banqueiro angolano um balão de oxigénio que permitiu a sobrevivência do Sporting.

Neste sentido, a estrutura leonina, nomeadamente José Maria Ricciardi e Luís Godinho Lopes, à altura membro do Conselho Fiscal e Presidente do Sporting, respetivamente, começaram a encetar contactos no sentido de contarem com a ajuda de Sobrinho para aliviar os cofres do clube. A assinatura de um contrato de parceria e de cooperação financeira-desportiva do Sporting com a Holdimo, em 2011, veio intensificar as relações entre as ambas as entidades, assim como a influência de Sobrinho, bisneto de Joaquim Madaleno, fundador do Sporting Clube de Portugal.

Assim, a par da cedência dos direitos económicos de 17 jogadores do plantel à altura (passaram a ser 28 numa segunda fase), começaram a cair na conta bancária de Alvalade avultadas transferências com milhões proveniente do BESA.

Com um valor de dois milhões de euros, a primeira aconteceu a 11 de junho de 2011, mais de um mês antes de ter sido assinado o contrato de parceria e de cooperação financeira-desportiva entre o Sporting e a Holdimo, a 22 de julho de 2011.

A transferência seguinte data de 26 de julho de 2011, também no valor de 2 milhões de euros. A partir deste momento, o montante transferido diminui, aumentando a regularidade das operações.

A 4 de outubro de 2011 foi enviado 1 milhão de euros para a conta leonina. Valor que se repetiu 20 dias depois e a 19 de dezembro de 2011.

Já em 2012, março foi o mês mais intenso, em que o volume de transações aumentou, tendo sido registadas seis em apenas dois meses.

2012/03/14

Transferência BESA-Sporting: 1 milhão

2012/03/22

Transferência BESA-Sporting: 1 milhão

2012/03/27

Transferência BESA-Sporting: 1 milhão

2012/04/03

Transferência BESA-Sporting: 1 milhão

2012/04/20

Transferência BESA-Sporting: 1,5 milhões

2012/05/18

Transferência BESA-Sporting: 1,2 milhões

2012/02/17

Transferência BESA-Sporting: 1,3 milhões

Ainda assim, todos estes movimentos, que ascendem a 15 milhões de euros e que conheceram apenas um sentido – BES Angola para o Sporting – são apenas uma parte das vantagens obtidas por Álvaro Sobrinho nos alegados crimes identificados pelo Ministério Público e que estão agora sob o olhar atento das autoridades.

+ notícias: Norte

Adepto obrigado a despir camisola do PSG durante jogo com o Benfica na Luz

Um adepto brasileiro foi, alegadamente, obrigado a despir a camisola que vestia no jogo da Liga dos Campeões desta quarta-feira, que opôs o Benfica e o PSG, no Estádio da Luz. A situação é revelada nas redes sociais, onde o jovem explica que lhe foi ainda pedido pela segurança que deixasse o seu lugar. O adepto estava acompanhado de um amigo que usava uma camisola da seleção brasileira.

Acidente entre três carros obriga ao corte da EN106 em Penafiel

Um acidente na noite desta quinta-feira provocou uma colisão entre três carros em Cabeça Santa, originando o corte da estrada nacional 106 em Penafiel. Segundo apurou o Porto Canal, cinco pessoas sofreram ferimentos leves tendo sido socorridas no local pelos bombeiros voluntários de Entre-os-Rios. Posteriormente foram transportadas para o Hospital Padre Américo no concelho de Penafiel.

Jovens portugueses percorrem Marrocos sem GPS em desafio solidário

Quatro mil quilómetros em dez dias, percorridos num carro com mais de 20 anos e sem GPS. São as principais regras do desafio “UniRaid” destinado a jovens sem medo do deserto. A prova arranca este sábado, em Tânger, Marrocos, mas o objetivo não é ganhar.