Ucrânia: Macron insta Putin a mostrar-se "responsável"

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Saint-Denis, França, 21 abr 2022 (Lusa) -- O Presidente francês, Emmanuel Macron, instou hoje, numa ação de campanha perto de Paris, o seu homólogo russo, Vladimir Putin, a mostrar-se "responsável".

"Sobre as últimas horas e as declarações e os testes russos, insto a Rússia - e o Presidente Putin -, enquanto potência dotada de armas nucleares e membro permanente do Conselho de Segurança, a ser uma potência responsável e a não ceder a qualquer forma de provocação, porque isso representaria uma alteração profunda da 'gramática' internacional", disse o chefe de Estado francês, candidato à reeleição no próximo domingo, na segunda volta das presidenciais, contra a candidata da extrema-direita, Marine Le Pen.

Vladimir Putin declarou hoje que as suas forças tomaram com "êxito" o controlo da cidade portuária ucraniana de Mariupol, sitiada pelo exército russo desde o início de março, e ordenou que os últimos combatentes ucranianos sejam cercados, e obrigados a render-se, em vez de atacados.

O exército russo tinha anunciado na quarta-feira o primeiro teste bem-sucedido de lançamento de um míssil balístico intercontinental Sarmat, uma arma de nova geração de muito longo alcance, que Putin saudou como "sem paralelo".

"Terei oportunidade, se as francesas e os franceses me derem o seu voto de confiança, de lhe telefonar na próxima semana", declarou Macron em Saint-Denis, um subúrbio popular da metrópole parisiense.

"Penso que devemos continuar vigilantes e unidos como europeus, unidos como aliados, continuar a dialogar com todas as potências, incluindo as regionais não-europeias, e dentro das Nações Unidas, para enviar mensagens muito claras à Rússia", sublinhou o Presidente francês, acrescentando que "não deve haver uma escalada".

"Continuamos a trabalhar para o cessar-fogo e a paz, mas não devemos ceder a qualquer tentativa de escalada, em particular da parte da Rússia", insistiu.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou já a fuga de mais de 12 milhões de pessoas, mais de 5 milhões das quais para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU -- a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Segundo as Nações Unidas, cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa -- justificada por Putin com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca ao desporto.

A guerra na Ucrânia, que entrou hoje no 57.º dia, já matou mais de 2.000 civis, segundo dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito mais elevado.

ANC // PDF

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Homem procurado em Espanha detido em Portugal

Um cidadão estrangeiro de 22 anos de idade que estava a ser procurado em Espanha foi detido, em Lisboa, pela Polícia Judiciária (PJ) na sequência de um mandato de detenção europeu, emitido pelas autoridades judiciais espanholas, pela "prática dos crimes de associação criminosa, tirada de presos e ofensas à integridade física qualificadas", revelou aquela força policial em comunicado enviado às redações.

Ex-membro da máfia de Nova Iorque escreve livro dirigido a empresários

Lisboa, 06 mai (Lusa) -- Louis Ferrante, ex-membro do clã Gambino de Nova Iorque, disse à Lusa que o sistema bancário é violento e que escreveu um livro para "aconselhar" os empresários a "aprenderem com a máfia" a fazerem negócios mais eficazes.

Secretário-geral das Nações Unidas visita Moçambique de 20 a 22 de maio

Maputo, 06 mai (Lusa) - O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, vai visitar Moçambique de 20 a 22 de maio, a primeira ao país desde que assumiu o cargo, em 2007, anunciou o representante do PNUD em Moçambique, Matthias Naab.